terça-feira, 30 de agosto de 2011

Rússia: Canibal homossexual mata e cozinha namorado


Um jovem de 21 anos foi detido pelas autoridades de Mourmansk, noroeste da Rússia, acusado de matar e comer um homem de 32 anos que conheceu na internet, num site de encontros homossexuais.

A história remonta ao passado dia 19 de Agosto, data em que o jovem canibal atraiu a sua casa o namorado virtual que acabou morto por envenenamento, retalhado com mão de mestre e cozinhado com requinte de grande ‘chef’.

Durante uma longa semana, o canibal de Mourmansk cozinhou os restos mortais do companheiro com muita imaginação e competência culinária, a saber, filetes, croquetes, salsichas... "O único móbil do crime do homicida era, precisamente, comer carne humana", conclui o relatório policial, divulgado ontem.

O desaparecimento da vítima foi denunciado pela mãe, tendo a polícia chegado ao seu trágico fim através do computador . O criminoso enfrenta agora uma pena de 15 anos de prisão.

Em 2002, quando veio a público o caso do canibal alemão Armin Meiwes, contratado pela vítima, via internet para a matar e comer, as autoridades alemãs estimaram em 10 mil os entusiastas do canibalismo nas suas duas variantes: activa e passiva.

-Fonte-



Câmara de vereadores de São José dos Campos impõe multa para quem induzir crianças ao homossexualismo

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, Brasil, 15 de agosto de 2011 (Notícias Pró-Família) — A câmara de vereadores de São José dos Campos no Estado de São Paulo, Brasil, aprovou uma lei municipal que impõe uma multa de 1.000 reais em qualquer pessoa que distribua qualquer tipo de material que possa induzir crianças a se tornarem homossexuais, de acordo com fontes dos meios de comunicação do Brasil.
O objetivo da lei é impedir o governo federal de reintroduzir um polêmico programa “anti-homofobia” do qual o governo de Dilma Rousseff havia recuado em maio, depois de protestos contra seu conteúdo sexualmente explícito por parte de evangélicos e católicos no Congresso Nacional.
O programa, chamado “Escola Sem Homofobia”, está no momento sob revisão e expectação de ser reintroduzido logo. Embora a presidenta Dilma tivesse expressado sua intenção de remover os vídeos censuráveis que buscavam justificar o estilo de vida homossexual de um modo explícito, os oponentes do programa permanecem em atitude de dúvida.
José Luis Nunes, coordenador regional da Campanha Nacional da Fraternidade da Igreja Católica, expressou seu apoio à lei, dizendo ao site noticioso UOL que “O MEC não deve impor esse tipo de situação às pessoas”.
“O assunto não foi resolvido nem internamente [no MEC]. Esse material, pela minha avaliação, é totalmente prejudicial e inoportuno para a sociedade”, acrescentou ele.
Os defensores da educação sexual gayzista afirmaram que o projeto de lei, que agora passa para o prefeito da cidade para sua aprovação, é “homofóbico” e “inconstitucional”.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

domingo, 28 de agosto de 2011

Brasil: Juiz de Franca proíbe casamento gay e diz que entidade familiar e família são “termos inconfundíveis"

-Fonte -

Os dois cartórios de registro civil da cidade de Franca estão proibidos de realizarem casamento entre pessoas do mesmo sexo. A decisão partiu do juiz corregedor dos cartórios Humberto Rocha, dizendo que “família” e “entidade familiar”, na lei, são termos inconfundíveis, já que casamento (…) é união de homem com mulher com o afã ou possibilidade de gerar prole”.

Humberto Rocha diz que não ignora a decisão do Supremo Tribunal Federal, que reconheceu a união estável entre homossexuais, mas diz que os ministros deram à “entidade familiar” um conceito elástico “a ponto de açambarcar a união entre homoafetivos, mas daí equiparar tal união à casamento vai um largo pego [abismo]“.

Diante dessa decisão os grupos gays da cidade estão planejando um protesto, pois para eles o ato do juiz trata-se de um preconceito. “É uma discriminação contra os gays,” disse Gilberto Mendes de Almeida, do movimento GLBTT de Franca.

De acordo com Adriana Galvão, presidente da Comissão de Diversidade Sexual da OAB de São Paulo, a decisão do STF acolhe diferentes posicionamentos quanto ao casamento civil, já que o texto assinado pelos ministros reconhece apenas a união estável.

Mas para o docente da USP em direito de família, José Fernando Simão diz que o STF previu, sim, o casamento homoafetivo. “Pela decisão, aplica-se para todos os efeitos a união estável. E “todos os efeitos” inclui o casamento.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Governo canadiano ao serviço do destrutivo comportamento homossexual

Um programa televisivo Cristão foi recolocado no ar em Dezembro de 2010 depois de ter sido tirado do ar como castigo pelos seus comentários em torno do auto-destrutivo comportamento homossexual. Apesar do programa estar novamente a ser difundido, o "Canadian Broadcasting Standards Council" (CBSC) está agora a rever e a censurar o seu conteúdo.

O Dr. Charles McVety, presidente do "Canada Christian College" e o apresentador do programa afirma:

Nós falamos contra as novas propostas de currículo que iriam ensinar a identidade de género, seis géneros e a orientação sexual às nossas crianças.
Seis géneros? Onde é que eles foram buscar os outros 4?

McVety falou também contra os $400,000 que o governo canadiano ofereceu a uma parada de orgulho homossexual. No entanto, quando o governo ficou a saber da nudez e da presença de outro tipo de comportamento ilegal durante a dita parada, a oferta dos $400,000 foi cancelada.

O CBSC não permitiu que McVety respondesse, decidindo desde logo que ele havia violado o código de ética.

Não se sabe bem qual é o "código de ética" que oferece dinheiro público para "espectáculos" de nudez mas censura quem fala contra um comportamento sexual claramente inferior e destrutivo.

Em referência às críticas de McVety à parada de orgulho sodomita, o concílio determinou que o pregador havia usado a expressão "parada sexual" (durante um sermão) de um modo derogativo

Durante um sermão? O governo canadiano agora monitoriza e policia o que é dito nos púlpitos? Não é isso uma clara violação da separação entre a Igreja Teísta e o Estado anti-Cristão?

E qual é o mal em qualificar as paradas sodomitas de "parada sexual" se é isso mesmo que elas são? Para além das normais difamações e blasfémias contra Deus e ataques ao Cristianismo, as paradas homossexuais das grandes cidades americanas e canadianas são eventos onde se glorifica a sodomia, chegando-se mesmo a practicá-la em plena luz do dia e à vista de todos.

McVety diz ainda:

O código penal diz que as pessoas que estavam na parada deveriam ser acusadas. No entanto, e de uma forma estranha, eu é que sou acusado por falar contra isso.
Foi dito a McVety que, se ele cometer mais alguma "ofensa", ele vai ser permanentemente retirado do ar.

Ele tem que se censurar a si mesmo para não ofender as sensibilidades frágeis de quem anda nu e envolve-se em actos sexuais pelas ruas.

Faz sentido.

-Fonte-

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

As mentiras dos projectos "anti-bullying"

Segundo os activistas homossexuais e os seus parceiros esquerdistas, as leis "anti-bullying" são necessárias para acabar com a "homofobia" (seja lá o que isso for) e proporcionar um ambiente saudável para os jovens que se assumam como viciados na homossexualidade.

Para além da imoralidade dos activistas homossexuais de quererem usar o aparelho de Estado para avançar com os seus gostos sexuais auto-destrutivos, existem também as mentiras que eles defendem religiosamente.

Eis aqui algumas:

Mentira #1: "Tu nasceste assim e não podes mudar".
Esta é a mensagem politicamente correcta que nos é dada pela elite esquerdista. Para além de não existirem evidências médicas de que o comportamento homossexual é determinado pela genética, temos evidências contrárias a esta posição:

1. Ex-travesti transformado por Deus

2. Música italiana que fala de vitória sobre o homossexualismo

As pessoas tornam-se viciadas no homossexualismo através dum número de factores complicados. Um dos muitos factores que podem levar um homem a adoptar a identidade do sexo oposto é o "efeito do irmão mais velho".

De acordo com o professor da Universidade de Toronto Ray Blanchard - tido como um perito no "efeito do irmão mais velho" [big brother effect] - as probabilidades dum homem ser homossexual aumentam em cerca de 33% se ele tiver um irmão mais velho.

Este tipo de dados mostram que a homossexualidade é um comportamento e não algo inato à biologia dum homem ou mulher. Ninguém nasce homossexual; as pessoas nascem macho ou fémea. Se ela tiver um desenvolvimento emocional e social normal, mais tarde na sua vida ela sentirá atracção por pessoas do género oposto.

MENTIRA #2: "A vida vai melhorar"
Não, não vai melhorar. De acordo com os dados estatísticos, a vida de alguém viciado na homossexualidade vai piorar. Começando no número de doenças (desde a SIDA até outras DST), passando pelas doenças mentais e dependência de químicos, acabando no suicídio, as evidências contra o comportamento homossexual são esmagadoras.

A Medicina há muito que reconheceu a precariedade do comportamento homossexual; em países como os EUA ou a Inglaterra, homens homossexuais activos estão proibidos de doar sangue.

Estima-se que o comportamento homossexual retire cerca de 20 anos de vida a uma pessoa. Os homens homossexuais normalmente contam com centenas (às vezes milhares) de parceiros sexuais no seu passado. Muitos sofrem com problemas com o álcool e as drogas - para além de elevadas taxas de abuso por parte dos seus parceiros.

Devido a isto, a solidão e a depressão estão muito associadas ao estilo de vida homossexual.

MENTIRA #3: O suicídio é causado pelo ódio e pela intolerância.
Virtualmente todos os profissionais médicos não proponentes do esquerdismo e das mentiras dos activistas sodomitas dirão que, quando os adolescentes "homossexuais" contemplam o suicídio, eles fazem-no por motivos inerentes ao seu arrependimento em relação às suas prácticas sexuais (bem como outras disfuncionalidades na sua vida pessoal). No entanto, eles encontram-se viciados a essa vida.

Para além disso, muitos assumem que não há forma de se mudar. No entanto, quando alguém lhes diz que eles podem ser libertos desses comportamentos, eles sentem-se aliviados. A "intolerância" nada tem a ver com o suicídio dos adolescentes.

É fácil de ver que a intolerância nada tem a ver com estes suicídios pelo simples facto de que, em áreas onde o comportamento homossexual é tolerado, as taxas de suicídio mantém-se.

Quando se diz a verdade a um adolescente --- que as suas tendências homossexuais são auto-destrutivas --- mas que ele pode ser liberto e mudado --- está-se a fazer um favor em vários níveis.

MENTIRA #4: Promover a homossexualidade como algo normal e benéfico é bom para as crianças perturbadas.
Esta é provavelmente a mais satânica das mentiras - especialmente se dita a crianças vulneráveis que podem estar a atravessar períodos de traumas psicológicos ou apenas inseguros da sua identidade sexual. Os activistas sodomitas querem aproveitar estes momentos de definição de carácter para arrastar as crianças para a homossexualidade.

Para se vêr que estas "aulas" de anti-bullying nada mais são que formas de se promover a homossexualidade entre as crianças basta citar os próprios activistas homossexuais.

Escrevendo num blog LGBT, Daniel Villarreal disse:

Queremos que os educadores ensinem as gerações futuras àcerca da nossa sexualidade "queer". De facto, o nosso futuro depende disso.
Posição curiosa esta uma vez que durante séculos não se ensinou às crianças sobre o auto-destrutivo comportamento homossexual no entanto isso não eliminou a existência de sodomitas.
Qual seria o propósito de se avançar com programas "anti-bullying" ou estudos sociais que ensinam as crianças àcerca das contribuições históricas de famosos homossexuais se nós não quiséssemos deliberadamente educar as crianças de modo a que elas aceitassem a nossa sexualidade "queer" como normal?
Ficamos a saber, portanto, que o propósito das leis "anti-bullying" ou os "kit gays" não visam proteger os homossexuais de violência mas sim indoutrinar crianças em favor da sua escolha sexual auto-destrutiva.

Da próxima vez que um membro do esquerdume alegar que o ensino de normas anti-bullying não visa a normalização da sodomia, vai dar jeito ter à mão as palavras do homossexual Daniel Villareal.

Nós e muitos outras pessoas queremos indoutrinar, recrutar, ensinar e expôr as crianças à nossa sexualidade e NÃO HÁ NADA DE MAL COM ISSO.
As maiúsculas estão no original, portanto esse é um ponto que o sodomita queria vincar.

Reparem na frase "recrutar". Essa frase pode ter o significado de "recrutar; convocar; alcançar". É isso que os homossexuais querem fazer com os filhos alheios, isto é, recrutá-los para o seu estilo de vida? Querem eles também expôr as crianças ao sórdido mundo do homossexualismo? Pelos vistos, sim.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Juíza da Inglaterra para professor: Não critico sua atração sexual por crianças de dois anos

READING, Inglaterra, 4 de agosto de 2011 (Notícias Pró-Família) — Uma juíza da Inglaterra assegurou a um professor que foi preso com imagens pornográficas de crianças, até mesmo de crianças novas de dois anos, que ela não o “criticaria” por sentir atração sexual por crianças.
Juíza Mary Jane Mowat
No sábado, a juíza Mary Jane Mowat dirigiu seus comentários para o professor substituto David Armstrong ao lhe entregar uma sentença suspensa por se confessar culpado de possuir 4.500 imagens de pornografia infantil.
“Não critico você por ser um professor que tem atração por crianças… Muitos professores têm [atração], mas mantêm seus impulsos sob controle tanto no que se refere a crianças quanto no que se refere a imagens de crianças”, disse Mowat.
De acordo com as notícias, David Armstrong, de 63 anos, foi apanhado quando um colega na Escola Little Heath em Tilehurst notificou a polícia depois de encontrar arquivos no notebook de Armstrong com nomes como “estupro de esposa”, “modelo nua” e “jacaré gay”.
Em sua reportagem, o jornal Blaze diz que algumas das imagens obtidas na posse de Armstrong incluem imagens de crianças novas de até dois anos.
Esta não é a primeira vez que Mowat provoca polêmica por causa do modo como ela lida com o abuso sexual de crianças. Em sua reportagem, o jornal Daily Mail disse que, em 2008, ela permitiu que um ex-diretor de escola acusado de pedofilia fosse solto depois que ele jogou a culpa da atração [por crianças] em suas drogas para tratar a doença de Parkinson.
Líderes pró-família disseram que o caso ajudou a esclarecer o efeito devastador e progressivo da pornografia.
“A questão com que estamos lidando diretamente é esta: a pornografia não é inofensiva”, Beth Meier da My House Initiative disse para LifeSiteNews.com (LSN) em resposta a polêmica por causa dos comentários de Mowat. “Não é uma forma ‘aceitável’ de expressão sexual”.
Meier esclareceu com mais detalhes: “Assistir à televisão no horário nobre, ler a revista Cosmo, assistir a um filme proibido para menos de 18 anos que contém cenas de nudez e sexo explícito, o que às vezes até mesmo têm filmes que são liberados para maiores de 13 anos, assistir a vídeo clipes do YouTube com moças de biquínis fingindo tirá-los — tudo isso é uma ‘porta de entrada’ para a pornografia. Tudo isso provoca lascívia e é uma visão doente da beleza de nossa sexualidade”.
“[A pornografia] transforma as mulheres em objetos para uso em vez de verem que elas são filhas de Deus”, disse ela. “O que os católicos e os cristãos precisam entender é que não somos imunes”.
Dan Spencer, diretor executivo da Fraternidade Nacional de Homens Católicos, disse para LSN que a polêmica é “um exemplo nítido” de que a sociedade se distanciou muito dos valores que poderiam proteger contra tais ataques às crianças.
“As posturas adotadas por essa juíza são uma consequência lógica da mentalidade ‘o sexo é um assunto particular’ na Inglaterra e nos Estados Unidos”, disse Spencer. “A cultura ocidental está deslizando na famosa rampa escorregadia [da decadência moral] e não está em posição de desafiar tal conduta depravada”.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

domingo, 21 de agosto de 2011

Aí está a previsível ditadura gay: Outdoors Bíblicos são retirados sob ameaça

Quanto tempo até os activistas homossexuais começarem a entrar pelas igrejas adentro e rasgarem páginas da Bíblia por estas serem "discriminatórias"? Os activistas homossexuais lutaram por "liberdade" e "tolerância" e agora usam essa mesma liberdade e tolerância para acabar com a liberdade de expressão alheia.

Que isto sirva de lição: o mal só caminha numa direcção.


Comentário de Julio Severo: Paradas gays no Brasil têm liberdade de afrontar a Bíblia e valores religiosos, sob a capa de direito de expressão. Mas quando os cristãos colocam versículos da Bíblia em outdoors, ativistas gays e governo gritam “homofobia”! A Defensoria Pública de Ribeirão Preto envergonhou toda a sua classe ao ameaçar os responsáveis pelos outdoors bíblicos. No mínimo, toda essa equipe da Defensoria deveria ser exonerada imediatamente por defender e praticar a censura. A notícia a seguir é do jornal esquerdista Folha de S. Paulo:
As mensagens bíblicas que geraram críticas do movimento gay, em Ribeirão Preto (313 km de SP), foram apagadas do outdoor. Na noite de ontem (19), a 6ª Vara Cível concedeu liminar a uma ação proposta pela Defensoria Pública, determinando a retirada imediata. Na manhã deste sábado, o outdoor, colocado ao lado da Câmara da cidade, já estava em branco.
A obrigação da retirada foi dirigida à Casa de Oração, igreja evangélica autora das mensagens, e à empresa Nobile Publicidade Visual, sob pena de multa de R$ 10 mil. Nenhum representante da empresa foi encontrado para falar sobre a retirada.
O pastor Antônio Hernandez Lopes, da Casa de Oração, disse que ficou surpreso com a retirada das mensagens porque ele ainda não havia sido notificado.
Ameaça estatal prevaleceu: outdoor bíblico foi censurado e retirado
"Dormi em um país democrático e acordei em um país ditatorial. Estou assustado", afirmou. Lopes disse que assinou um termo de responsabilidade com a empresa por conta da mensagem e que analisa a possibilidade de pedir ressarcimento.
O outdoor foi colocado na última quarta-feira (17) e trazia três citações bíblicas. Entre elas, uma do livro de Levítico: "Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável...".
Outra, da Carta de São Paulo aos Romanos, diz que "até as mulheres trocam as relações naturais pelas que são contra a natureza. E também os homens deixam as relações naturais com as mulheres e se queimam de paixão uns pelos outros".
Divulgação: www.juliosevero.com

sábado, 20 de agosto de 2011

EUA: Homens homossexuais representam 61% dos novos casos de infecção com o HIV

O Centro para o Controle de Doenças (CCD) dos EUA estimou que os homens que têm relações anais com outros homens constituem 61% dos novos casos de infecção com o HIV nos EUA, embora esse grupo sexual seja apenas 2% da população total.

No princípio deste mês o CCD publicou as estimativas para as infecções do vírus HIV durante o período compreendido entre 2006-2009. Esses relatórios mostram que as novas infecções se mantiveram estáveis em torno das 50,000 para cada um dos 4 anos.

Os homens que têm relações anais com outros homens foram responsáveis por 29,300 das 48,100 novas infecções de 2009, e os homossexuais com idades compreendidas entre os 13 e os 29 representam 27% dos novos casos.

O único grupo onde as novas infecções com o HIV estão em crescimento é o grupo composto por jovens homens homossexuais - liderados pelo alarmante aumento de infecções entre os afro-americanos.

O estudo calcula que as novas infecções entre os homossexuais negros tenham aumentado 48% no período compreendido entre 2006-2009 - de 4,400 infecções com o HIV em 2006 para 6,500 infecções em 2009.

O estudo revelou também que cerca de 20% dos os homens que têm relações anais com outros homens têm o vírus HIV, embora cerca de metade daqueles que estão infectados estejam ignorantes da situação.

-Fonte-


O comportamento homossexual, pela sua natureza promiscua, torna os praticantes em autênticas bombas de contaminação de doenças. Dado disto, é por demais ridículo que um país responsável retire esse grupo desproporcionalmente contaminado dos grupos de pessoas não que podem doar sangue.

Mas como sabemos, nos dias que correm o "politicamente correcto" e a "diversidade" tomam preeminência sobre a responsabilidade. Dizer a verdade sobre o papel auto-destrutivo da homossexualidade é "ódio" (embora seja verdade). Deixar que os homens que têm relações anais com outros homens possam dar o seu sangue contaminado ao resto da população (incluindo crianças e mulheres grávidas) já é "tolerância".

Seria curioso vêr um activista homossexual tentar explicar o porquê das prostitutas e dos toxicodependentes não poderem dar sangue, mas os homens que têm relações anais com outros homens poderem.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Imperialismo Homossexual OU Como os Países Ocidentais Forçam os Países Pobres a Normalizar a Sodomia

Malawi, um pequeno e pobre país africano, está na linha da frente no que toca aos esforços dos países ocidentais em avançar com a agenda sodomita em troca de ajuda humanitária. Este ano, perto de $350 milhões de dólares de ajuda financeira provenientes do governo de Obama foram suspensos devido às rectificações ao código penal do Malawi criminalizando a práctica homossexual.

Malawi, sob intensa pressão dos países ocidentais, concordou em rectificar as suas leis contra a práctica da sodomia e colocá-las mais de acordo com a perversão que já ocorre no mundo ocidental. Mas isto sem antes declarar que considera isto uma forma grave de imperialismo cultural. O Dr. Hetherwick M. Ntaba, o consultor político do presidente do Malawi disse:

Dado que nós não podemos fugir do facto de necessitarmos da sua ajuda, é absurdo por parte destes países forçarem o nosso país a aceitar comportamentos imorais. Somos um país soberano e merecemos ser tratados como tal, com ou sem ajuda.
O Dr. Ntaba aparentemente não sabe que "soberania" é algo que o lobby sodomita e os seus parceiros marxistas culturais não olham em conta se isso estiver contra os seus desejos sexuais e políticos. Para eles, o que interessa é usar este pequeno país como exemplo para todos os outros pequenos países pobres que de alguma forma se oponham ao esquerdismo.

Outro país que trabalha para o avanço do esquerdismo, a Alemanha, anunciou que reteria metade dos seus $33 milhões prometidos ao Malawi devido à sua criminalização da homossexualidade (e devido à restrição da liberdade de imprensa). Reportagens mundiais mostram que o "Global Fund" rejeitou recentemente a aplicação do Malawi para obter $560 milhões em ajuda devido às suas leis relativas à sodomia.

Malawi é um dos países menos desenvolvidos do mundo. Apenas 7% da população possui acesso à electricidade e esta falta de estruturas de fornecimento de energia eléctrica opera como impedimento para o seu crescimento económico. Devido às condições empobrecidas do país, a ajuda externa é vital, mas os esquerdistas mundiais só querem ajudar este pobre país se o mesmo normalizar a sodomia.

Apesar de Malawi ter esclarecido publicamente a constitucionalmente protegida liberdade de expressão, a Millennium Challenge Corporation (MCC) - organização com quem o governo de Malawi tem mantido discussões em torno da condições das alterações que Malawi tem de levar a cabo para obter ajuda financeira - deixou bem claro que as leis do governo de Malawi que "criminalizam o comportamento homossexual são inconsistentes com as obrigações relativas aos direitos humanos e aos indicadores da MCC".

Não há um único tratado mundial em torno dos direitos humanos que menciona a orientação sexual ou faz alusões ao comportamento sexual. Mais de 60 países mundiais possuem leis que penalizam actos homossexuais (e não o facto de se ser homossexual) e quase todos os países possuem leis variadas que criminalizam a pedofilia e o incesto.

ºFonteº


Portanto, ou os países legalizam o uso do ânus como órgão sexual, ou os países ocidentais deixam-nos morrer à fome. Curioso que eles nunca tentam estas coisas com os países islâmicos, quando sabemos que estes países enforcam os homossexuais em público.

O governo de Obama dá ajuda financeira a países islâmicos mundialmente conhecidos por violarem os VERDADEIROS direitos humanos (liberdade de religião, liberdade de expressão) mas não quer dar ajuda financeira a um pobre país por este criminalizar a sodomia.

Por aqui se vê que, para o esquerdume (esquerdume = esquerdismo + estrume) é mais importante um país aceitar a sodomia do que ter o que comer.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Dr Louis Chen mata parceiro sexual e o filho

Há medida que a engenharia social vai produzindo uma transformação fundamental nas normas e instituições da civilização ocidental, as concepções politicamente correctas do que é uma família estão a produzir uma devastação bizarra.

O Dr. Louis Chen e o seu parceiro de longa data, Eric Cooper, nutriam um desejo enorme de "terem" um filho. Enquanto Chen trabalhava no "Veterans Administration Medical Center" em Minneapolis, eles iniciaram o longo processo de "terem" um filho através duma barriga de aluguer.

A "sua" criança não foi adoptada dum país estrangeiro, como reportado originalmente, mas sim concebida a partir do esperma de Chen e dum ovo duma mulher anónima do Taiwan. Segundo os amigos, a gravidez foi levada a cabo por uma mulher de Oregon.

Quando a criança nasceu há 3 anos atrás, ele foi adoptado por Eric e recebeu o nome de Cooper Chen.

Um amigo que frequentou a escola médica com Chen disse:

Eles amavam o bebé. Adoravam-no. Era uma coisa em que eles estavam de acordo e isso era muito doce.
Bolas, estou a ficar emocionado com tanto amor.

Mas algo aconteceu entretanto.....

Chen, de 39 anos, é agora acusado de ter morto Cooper, de 29 anos, e o seu filho na passada 5ª Feira no apartamento que partilhavam.
Um juiz distrital determinou que há motivos para manter Chen em custódia sob acusação de duplo homicídio agravado.

Um pouco da história do casal:

Os dois homens conheceram-se há 12 anos quando Chen, emigrado do Taiwan, frequentava a "University of Chicago Pritzker School of Medicine" e Cooper era um adolescente de 17 anos a frequentar a escola secundária em Tinley Park, Ill.

Os familiares de Cooper disseram que ele fugiu de casa para estr com Chen.

Portanto, tal como muitos na comunidade homossexual, Chen sentiu-se impelido a atacar e a aliciar um menor.

Só um esquerdista é que se admira que a história não acaba bem - chegando ao ponto de Chen abrir a porta do seu apartamento nu e coberto do sangue da sua "família".

Louis-Chen
Louis Chen, homicida e pioneiro social


A “tolerância” gay na internet

Lia o blog do meu grande amigo evangélico Julio Severo e eis que me deparo com as respostas grosseiras dos fanáticos do movimento gay, refletindo o tipo de metodologia totalitária que há por trás dessa turba organizada.

Convém dizer que este bravo homem cristão está fora do país. A militância homossexual usou de variados meios para censurá-lo e calar a boca de algumas verdades denunciadas no seu blog.

O chefe do movimento gay da Bahia Luiz Mott chegou a divulgar na internet um suposto endereço da residência do militante evangélico, colocando em risco a sua integridade física. Até o Ministério Público Federal entrou na farsa, movendo o processo por um crime inexistente, o de “homofobia”.

Sozinho, e no sentido de resguardar o bem estar de sua família, ele teve que sair do país.

Vejam a natureza das críticas sofridas por Julio Severo recebe em seu blog. Em publicação de seu blog, na data de 14 de agosto de 2011, alguns militantes gays pediram a cadeia para o blogueiro. O crime? Criticar o movimento homossexual. Cabe comentá-lo:
a liberdade de expressão vai até o ponto em que fere a constituição. vc pode não gostar de homossexualismo, mas emitir publicamente esta opinião é ferir o direito de liberdade do outro.
Conde- Não existe nada na Constituição que “proteja” o homossexual de qualquer tipo de crítica. Aliás, nem deve, porque a constituição garante a liberdade de expressão de qualquer idéia, sendo vedado o anonimato e todas as pessoas ou condutas são passíveis de crítica, a não ser que criemos privilégios especiais de opinião aos gays. “Privilégio” que fere a Constituição, que afirma que todos somos iguais perante a lei.

Convém afirmar que, a despeito de sua proibição, o anonimato é usado covardemente para atacar Julio Severo. Liberdade de expressão, pela sua definição, não obriga ao seu opinador a agradar a ninguém. Nada do que Julio Severo diz é mentira ou falsidade. Percebe-se aqui a consciência totalitária distorcida deste militante homossexual.

Ele confunde a mera discordância de uma opinião ou projeto político com a obstrução da própria liberdade. Criticar pessoas, grupos políticos, entidades governamentais, ou seja, qualquer coisa, faz parte da própria democracia, e só uma pessoa muito lunática e com viés despótico é que possa presumir que a mera crítica fira liberdades alheias. Pelo contrário, quem quer ferir a liberdade alheia é o militante gay, que deseja tirar o direito de opinião livre das pessoas.

A inversão esquizofrênica da linguagem é algo que surpreende até um romance de George Orwell. Se o movimento gay pode criticar os cristãos, pode criticar a moral vigente, pode criticar a rejeição à homossexualidade, o mesmo princípio se aplica a todo mundo, que pode criticar também os homossexuais militantes.
Na cabecinha do militante fascista do movimento gay, pode-se usar das prerrogativas do Ministério Público para calar a boca de Julio Severo e demais cristãos, sem supostamente ferir a liberdade de alguém. Porém, criticar o homossexualismo e a ditadura gay virou crime. E ainda essa gente se escandaliza quando é chamada de nazista?
diferentemente, os homossexuais não fazem campanha contra o heterossexualismo, eles apenas pedem para deixar de ser perseguidos e assim poderem viver como desejar.
Conde-Aqui o militante gay mente e muito mal. O movimento homossexual não somente ataca a tradicional família cristã, como também quer criminalizar qualquer opinião em contrário ao homossexualismo.

Mas essa é a natureza psicótica do movimento homossexual: a auto-vitimização neurótica e paranóica com a sanha criminosa e doentia de calar a boca dos dissidentes à força. Ou seja, o repressor das idéias alheias se protege com a própria vitimização neurótica de um perigo inexistente.

O indivíduo que condena o homossexualismo, seja baseado no quer for, até mesmo preceitos religiosos, está ferindo a constituição do país e deveria ser processado.
Conde- O militante gay não é apenas mentiroso, como também burro. Não existe nenhuma prerrogativa constitucional que proíba a crítica aos homossexuais ou ao homossexualismo. Ademais, proibir a crítica ao homossexualismo fere a liberdade constitucional, uma vez que há, além da liberdade de expressão, a liberdade sexual de rejeitar aquilo que não nos agrada.

Pelo jeito, o analfabeto jurídico não sabe nada de leis e fica dando palpite em tudo. No entanto, o Ministério Público, de forma ilegal e delinquente, já criou um precedente jurídico que não existe na lei, a tal “homofobia”.

Aí dá pra entender do porquê de ele repetir uma legislação paralela, que só existe na linguagem totalitária do movimento gay. Onde a Constituição permite algum tipo de processo por crimes de opinião?

Bem, essas são as intenções nazistas do movimento gay, criar um precedente inexistente para a destruição da liberdade de expressão.

Muito confundem liberdade de expressão com poder falar o que quer e o que pensa, mas não é assim. Se pronunciar contra o direito do homosexual viver como quer é crime!
Conde- A Constituição proíbe alguém de falar o que pensamos? De onde esse palerma nocivo tirou essa idéia? Do movimento nazista gay, naturalmente, já que não passa de um fascistinha travestido em arco-íris. O movimento gay criou um precedente digno da pior ditadura comunista: a liberdade de expressão não existe mais.

Pronunciar-se contra reivindicações políticas gayzistas se tornou “crime”. Sabe-se lá de qual legislação? Mas a intenção está clara: a lei “anti-homofobia” ainda nem passou e os militantes homossexuais já querem colocar pessoas na cadeia por crimes inexistentes?!

Criticar a orientação sexual é crime sim senhor !!! Gente como vc merece cadeia !
Conde- Vamos ver se entendi a lógica do “senhorito arrogante” e andrajoso: rejeitar uma conduta sexual agora é crime? Onde está a liberdade sexual para criticarmos a orientação sexual que não nos agrada?

Onde está escrito na Constituição que devemos aceitar compulsoriamente um comportamento sexual sem questioná-lo? Se criticar a orientação sexual é crime, nas palavras do símio acima, então criticar a pedofilia, a zoofilia, a necrofilia, e outros tipos de práticas ou “orientações sexuais” também é crime.

A lógica do movimento gay não é das melhores. Deve ser algo digno do hospício ou do manicômio judiciário.

Volta, fujao, que o MPF vai te colocar num lugar onde vc nunca mais vai escrever coisas que revoltam a comunidade lgbt. Volta fujão!
Conde- Vamos analisar quem é o covarde? Um indivíduo isolado, que tem família constituída, destituído de posses, e que fala a verdade num blog contra milhares de militantes imbecilizados, desequilibrados, sustentados por ongs riquíssimas, pelo dinheiro público e mesmo com a força do Estado, através do Ministério Público, é um covarde?

Não, covarde, é essa criatura que precisa de grupelhos sem situados para se arrogar a usar a palavra contra a parte mais fraca, que é a de Julio Severo. Esse mesmo covarde que, a despeito de toda a estrutura financeira e estatal milionária de apoio ao movimento gay, ainda se esconde covardemente no anonimato, sem a coragem de mostrar a cara!

Esse é o verdadeiro fujão, sem moral, sem cérebro, sem inteligência, sem caráter.

Parabéns! O blog do tsavkko citou seu fundamentalismo e meu blog repostou!
Juntos para fazer as pessoas saberem quem é vc.Conde- Interessante notar o quanto os idiotas falam do “fundamentalismo” sem conhecerem patavina da palavra. Todavia, não seria mal retribuir a palavrinha considerada “politicamente incorreta” aos seus reais praticantes: existe “fundamentalismo” maior quando uma trupe de sodomitas se auto-sacraliza na prática anal, achando que qualquer crítica, dissidência ou mesmo aversão é possível de ir pra cadeia? Inclusive, rasgando ou interpretando a Constituição Brasileira de forma esquizofrênica?
Logo vou postar seus textos anti diversidade religiosa a postar videos que o caio fabio fez sobre vc.
covarde, fujão!Conde- Ao que parece, o “corajoso” é outro que sobrevive no anonimato. O Brasil tem dessas coisas: os “corajosos” são aqueles aliados do governo, do dinheiro público sujo, de ongs riquíssimas, que tentam esmagar indivíduos isolados, mas que guardam a interioridade independente, prontos a morrer pela verdade do Evangelho.

Mas o covarde é sempre assim: é poderoso com os fracos e cachorrinho de madame com os poderosos! O movimento gay, cão de guarda da ditadura politicamente correta, com certeza não pensará diferente. E convém dizer, quem é que leva a sério o Sr. Caio Fábio, bajulador do PT, que depois de ser pego na falcatrua do dossiê Cayman, não passa atualmente de uma espécie curiosa de escroque fracassado?

Eu duvido muito da sinceridade ou inteligência de quem prega a tal “diversidade”. Claro, é a “diversidade” de grupelhos imposta pelo PT, pelos partidos de esquerda, que destróem essa pluralidade quando foge do controle do partido-Estado. Aqui entre nós: fracassar na falcatrua é um ato completo de incompetência!

Até o aliado Lula, que tem menos letras do que o Caio Fábio, consegue ser melhor! O Sr. Caio Fábio é um dos colaboradores desse estado de coisas terríveis que acometem em matéria de corrupção e bandalheira no Brasil, com a promoção desta quadrilha petista no poder.

Divulgação: www.juliosevero.com

Homenagem proposta por vereadora ‘comunista evangélica’ ao pr. Silas Malafaia é vetada na Câmara de Vereadores de São Luis

Vereadores acusam pastor Silas Malafaia de homofóbico e impedem homenagem


Na pauta da Câmara Municipal de São Luiz (MA) para ser votado hoje a tarde, um Decreto Legislativo, de iniciativa da vereadora Rose Sales (PCdoB), visava conceder o “Título de Cidadão de São Luis” para o pastor Silas Malafaia. Mas, um bloco de vereadores liderados pelo PDT pediu vistas de 72h, ou seja, contestaram o decreto.

O vereador Ivaldo Rodrigues (PDT), líder do governo na Câmara, disse que era necessário analisar a projeto. Segundo ele, conceder tal homenagem “ao pastor Silas Malafaia é um total desrespeito à dignidade humana”.

Rodrigues afirmou ainda que Malafaia é hoje “uma persona non grata à comunidade gay”, já que utiliza um programa na televisão para fazer ataques sistemáticos à comunidade LGBT. O vereador também alegou que o projeto da vereadora carece de um parecer técnico e “não há nenhuma justificativa” para se homenagear o pastor em questão.

A respeito das intenções da vereadora Rose Sales em querer prestar uma homenagem a Silas Malafaia, Ivaldo Rodrigues acredita que ela deseja “ganhar os holofotes da mídia”. No entanto, a vereadora rebateu as acusações afirmando que “é serva do senhor” e que Malafaia não é homofóbico. O vereador Chico Viana (PSDB) também se posicionou contra a medida e lembrou que recentemente a Câmara aprovou um Projeto de Lei que atua contra a discriminação por orientação sexual.

O Decreto Legislativo que prevê o Título de Cidadão ao pastor Silas Malafaia deve voltar para apreciação na semana que vem.

Fonte: Acapa.uol

COMENTÁRIO:

Qualquer um que discorde das opiniões e práticas dos homossexuais é taxado de homofóbico. Isto já virou palhaçada nacional. De certo modo é até bom a exploração exacerbada do termo ‘homofobia’. Só assim cai logo ‘na vala comum’ e faz com que a sociedade acorde e perceba os reais intentos ditatoriais do movimento gay.


Quanto à vereadora, é impossível ser verdadeiro cristão e também comunista. O comunismo prega a não existência de Deus. Cristianismo e comunismo estão em pontos opostos e extremos.

Os partidos comunistas, …

… sempre quando possível, atacam Israel.

… são favoráveis à aproximação do Brasil com países que oprimem seus povos e perseguem cristãos como Síria, Coréia do Norte, Cuba, Irã, Sudão e outros.

Além disto, debaixo da opressão dos governos comunistas milhares de cristãos foram, e ainda são, assassinados ou aprisionados. A exemplo temos a China, Coréia do Norte, Vietnã, Camboja, Laos, Cuba e outros que faziam parte do Pacto de Varsóvia (na Cortina de Ferro).

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Corey Feldman: a pedofilia é o maior problema de Hollywood

Corey Feldman, uma das maiores estrelas juvenis dos anos 80, deu uma entrevista à ABC ("Underage and Famous") onde revela algo sombrio em Hollywood. Feldman diz que a fama juvenil não só pode ser destrutiva, como muita dessa destruição se deve a um mal raramente falado: a pedofilia.
Posso te dizer que o problema maior em Hollywood era, é ,e vai ser sempre a pedofilia. . . . Este é o grande problema para as crianças dentro desta indústria. . . . É o grande segredo.
Quando tinha 14 anos eu vivia rodeado de pedófilos, e nem sabia. Só mais tarde, quando comecei a entender o que eles eram e o que eles queriam é que disse "Meu Deus... Eles estão por todo o lado. Parecem abutres."
Feldman, agora com 40 anos, não só foi mais longe ao identificar a pedofilia como um dos factores que levou à morte trágica do seu amigo Corey Haim, como apontou o dedo uma pessoa influente em Hollywood - sem no entanto a identificá-lo por nome.
Há uma pessoa responsável pela morte de Corey Haim e essa pessoa é bastante influente no meio. Ela tem que ser exposta mas infelizmente, não posso ser eu a fazê-lo.
video


Isto talvez explique o porquê do pedófilo Roman Polanski ter recebido apoio entusiástico por parte da indústria cinematográfica. As leias não se aplicam para os esquerdistas, pelos vistos.
Uma das frases mais reveladoras presente no artigo foi a seguinte:
Existia este círculo de homens mais velhos que circulava em torno deste grupo de rapazes.
Ou seja, homens que tinham atracção por rapazinhos do mesmo sexo - isto é, homossexuais e pedófilos.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Perseguição aos blogueiros cristãos

Por Micheline Gomes
Não é de hoje que muitos blogueiros estão sendo perseguidos por publicar em seus blogs, artigos polêmicos; principalmente quando se refere ao homossexualismo, aborto, eutanásia etc.
A maioria da blogosfera conhece o nosso irmão Júlio Severo. Suas denúncias fizeram que Júlio e sua família se ausentassem do Brasil por causa da perseguição, pois o Júlio bate forte mesmo principalmente no que se refere às práticas promovidas pelos amantes do homossexualismo.
Quando alguma notícia vaza na internet, ela alcança uma proporção muito grande, pois a rede tornou-se um mecanismo de denúncia explícita não só através de textos e imagens, mas de vídeos.
O que me entristeceu hoje, foi à perseguição ao capelão Ricardo Ribeiro da Paraíba. Seu blog se chama ResistênciaCristã.
Segue abaixo parte do texto que o irmão Ricardo escreveu:
“Bem, quero lhe dizer que a perseguição já chegou até mim. Eles tem me monitorado e fui demitido do meu cargo de Capelão e a notícia foi dada por um Homossexual de um grupo ativista que atua na minha cidade, na minha porta. Mas, sei que meu Senhor não deixará faltar nada prá mim, minha esposa grávida de 7 meses e minha filha que está chegando. Estou experimentando o que Júlio passou com seus filhos. Seria bom denunciá-los em seu blog, se possível. Agradeceria muito”.
Que eu saiba, constitucionalmente temos liberdade de expressão e opinião. Quando se mexe com o pessoal do homossexualismo, logo se levantam perseguições contra quem é contrário as práticas e direitos dados a essas pessoas.
Ricardo perdeu sua patente de capelão e precisa da nossa ajuda. Visite seu blog e ajude-o em oração, mas se possível financeiramente.
Será que estamos vivenciando novamente o período de ditadura? Ou perderemos a cabeça como perdeu o profeta João Batista por denunciar O PECADO?
Divulgação: www.juliosevero.com

Pode a normalização da pedofilia estar eminente?

Não era preciso uma bola de cristal para se vêr que, depois da homossexualidade, a pedofilia seria próxima perversão a ser oficialmente normalizada pelos líderes da esquerda Para além dos esquerdistas, poucas pessoas negam a ligação entre a pedofilia e a homossexualidade.

Segundo nos relata esta notícia, se um pequeno grupo de psiquiatras e outros profissionais de saúde mental conseguirem levar a cabo os seus planos numa conferência a realizar esta semana, os próprios pedófilos poderão desempenhar um papel importante na remoção da pedofilia da lista de desordens mentais da "bíblia" dos psiquiatras, a "Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders" (DSM).

A edição de 2013 vai ser alvo de uma revisão significativa e como tal, os pedófilos querem usar o mesmo método usado pelos sodomitas no passado: fazer pressão junto dos profissionais como forma de validar a sua perversa atracção sexual por crianças. Os críticos justificadamente avisam que isto pode levar à descriminalização da pedofilia.

A conferência a realizar em Baltimore daqui a 2 dias é patrocinada pelo B4U-ACT, um grupo composto por "profissionais" de saúde mental pró-pedofilia e activistas simpatéticos. De acordo com a brochura da conferência, o evento irá examinar "formas como as pessoas com atracção por menores [pedófilos] podem estar envolvidos no processo de revisão do DSM 5" e como a percepção popular em relação à pedofilia pode ser reajustada como forma de encorajar a tolerância.

Lá está a palavra mágica do esquerdismo político: "tolerância". Todos nós temos que aprender a ser tolerantes das perversões que ajudem os esquerdistas a ter maior controle sobre as nossas vidas - quer seja a destruição da família através do aborto e da promoção da sexualidade, quer seja com a imigração em massa como forma de aumentar o número de pessoas que votam à esquerda.

Até 1973, a homossexualidade era qualificada pelo DSM como uma doença mental. Isso agora mudou devido a uma forma mais severa de doença mental chamada de "politicamente correcto". Agora, a aceitação da depravação sodomita é mandatória. O mesmo vai eventualmente acontecer com o abuso sexual de crianças, se a esquerda política conseguir levar a cabo os seus planos.

A Drª Judith Reisman, defensora das crianças, afirmou que a conferência faz parte duma estratégia que tem em vista o condicionamento das pessoas para a futura aceitação da pedofilia.

A primeira coisa que eles fazem é livrar a pessoa dos pensamento em torno do que o agressor faz criminalmente, e pô-las a pensar no estado emocional do pedófilo - para pensarem nele como alguém que considera o seu estado emocional, e gerarem empatia e simpatia.

Tu não mudas a nação duma só assentada; tens que mudá-los condicionando-os. O propósito e pôr os pedófilos fora da prisão.

Segundo a Drª Reisman, os pedófilos geralmente abusam várias crianças antes de serem finalmente apanhados.

Os dados relativos aos pedófilos em liberdade condicional confirmam que não só estes predadores repetem os seus crimes contra as crianças, como em algumas situações eles escalam-nos até ao assassínio.

Mas o mais importante não é a segurança das crianças, mas sim que os pedófilos não sejam vítimas de descriminação e "intolerância". Mais alguns anos e vai ser ilegal despedir de centros infantis pessoas que se venha a saber mais tarde terem um passado pedófilo.

Reisman avisa que a desclassificação da pedofilia como uma doença mental pode resultar na remoção dos estatutos que visam a defesa das crianças uma vez que a lei segue sempre o conselho dos psiquiatras. Ela dá como exemplo a normalização (por parte dos psiquiátras) do sado-masoquismo, exibicionismo. e a homossexualidade como precedentes.

-Fonte-


A sociedade deveria ter traçado uma linha não transponível há muitos atrás mas a maioria moral foi recuando sob receios de ser acusada de "retrógada" ou "intolerante".

Pois bem: eis aí os resultados desse recuo: os activistas homossexuais e as aborcionistas agora entram pelas escolas a dentro e "ensinam" qual o melhor comportamento sexual - que, sem surpresa alguma, é sempre um que está de acordo com o que esses grupos minoritários pensam.

nambla
Tolerância.

“O mundo é frequentemente mau, superintendente. Nada podemos contra isso. No entanto, temos sempre de lutar contra o mal.
(“Crime no Museu Britânico” , J.B. Livingstone, página 212)

"Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé." - 2 Timóteo 4:7

A família natural

O "Howard Center for Family, Religion, and Society" defende que a família natural é a unidade fundamental da sociedade; é a base de todas as civilizações saudáveis e progressivas.

A definição de família natural vem dum grupo do Congresso Mundial de Famílias, redigido em Maio de 1998 (Roma). A mesma está de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e com as descobertas das ciências sociais.

A definição é:

A família natural é a unidade social fundamental, impressa na natureza humana, centrada da união voluntária de um homem e uma mulher no convénio vitalício do casamento, com os seguintes propósitos:

  • satisfazer os anseios do coração humano de dar e receber amor.
  • receber e garantir o desenvolvimento físico e emocional de crianças.
  • partilhar a casa que serve de centro para a vida social, educacional, económica, e espiritual.
  • construir fortes laços entre as gerações que transmitem o modo de vida que possui um significado transcendental.
  • estender a mão da compaixão a indivíduos e famílias cujas circunstâncias de vida pecam por não serem as ideiais.
O nosso uso da expressão "família natural" é significativo em muitos aspectos.
  • Primeiro, o termo significa uma ordem natural das estruturas familiares que não só é histórica e comum através das culturas, como é sobejamente evidente por si mesmo.
  • Segundo, o termo significa uma expressão perfeitamente defensível. "Natural" não é "nuclear" - o que limitaria o seu alcance - nem é "tradicional" - o que sobrecarregaria a sua utilidade na esfera pública. É o que é, uma expressão evidente em si mesmo.

  • Terceiro, o termo "natural" não só impede construções familiares incompatíveis, como impede também comportamentos incompatíveis entre os seus membros.

  • Quarto, "família natural" é uma expressão positiva. Não exige uma discussão das incompatibilidades negativas para se definir.

sábado, 13 de agosto de 2011

Europa Anti-Cristã Piora Condição dos Homossexuais

No dia 12 de Junho de 2011, um homossexual foi atacado por norte-africanos (muçulmanos) em Bruxelas. Os jovens agrediram-no e tentaram sufocá-lo.

De acordo com Bruno De Lille, (esquerdista), "a maior parte dos ataques homofóbicos são feitos por parte de membros da comunidade muçulmana, mas esses ataques não têm ligações com a religião mas sim com a cultura macho".

Ele disse que há também alguns ataques por parte de homens do Leste Europeu e que aqueles que expressam sentimentos contra as mulheres também os expressam contra os sodomitas.

O facto de haver ataques por parte de homens do leste não significa que os ataques feitos por muçulmanos nada tenham a ver com o islão, especialmente quando muitos deles enforcam homossexuais PRECISAMENTE por motivos islâmicos.

De acordo com Carim Bouzian, um imigrante sodomita de Antuérpia, a situação nesta cidade não é muito melhor que a situação de Bruxelas. Os sodomitas são reprimidos pela "polícia da moralidade" islâmica (mas eu pensava que o islão nada tinha a ver com os ataques?), um grupo composto por de homens mais velhos e jovens radicais que sentem ser seu dever avisar os homossexuais àcerca do seus comportamento erróneo.

Tudo começa com ofensas verbais e coisas como "Não sabes o que os islão diz? Tu vais o inferno!", e se tu não respondes de imediato, arriscas-te a ser esmurrado.

Bouzian diz que não há lugar seguro na cidade longe da polícia da moralidade. As duplas de sodomitas que vivem em vizinhanças de imigrantes recebem com regularidade cartas contendo versos do Alcorão juntamente com um rato morto. Mas nem mesmo aqueles que vivem em zonas mais abastadas escapam dos ataques. Um amigo de Bouzinan foi atacado em pleno dia na zona rica do sul de Anturérpia.

Mas os sodomitas não são as únicas vítimas. A polícia de Antuérpia diz que as raparigas imigrantes com saias curtas são também amaldiçoadas, na maior parte das vezes, por parte de muçulmanos radicais mais velhos.

O fenómeno é bastante diverso o que dificulta o trabalho da polícia. A polícia raramente recebe queixas oficiais a acusar a tal polícia da moralidade.

Não se sabe quantos homossexuais são ameaçados em Antuérpia. Há cerca de um ano atrás a comunidade sodomita avisou para esta situação no parque Middenvijver park, onde os homossexuais se reúnem para terem relações sexuais com jovens imigrantes. Esta situação foi demais para a polícia da moralidade, e um grupo de imigrantes atacou os homossexuais.

Fonte


Nem sei o que dizer desta situação. Dum lado temos os sodomitas que esperavam que com a destruição da moralidade sexual Cristã, o caminho estava aberto para viver a sua sexualidade de forma aberta e sem críticas.

Do outro lado temos uma ideologia política mascarada de religião que normalmente enforca os homossexuais.

Olhando para as taxas de natalidade (e a importância do voto para os esquerdistas), parece que os sodomitas estão à beira de descobrir que uma cultura pós-Cristã não é o passeio que eles tanto esperavam.

Outra coisa "engraçada" é a forma como o dirigente esquerdista sente-se na obrigação de separar a violência feita por muçulmanos da crença islâmica. Obviamente que estas tentativas são infrutíferas quando os próprios muçulmanos têm o cuidado de conectar a sua ideologia com as suas prácticas.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Homossexualidade e Abuso Sexual Infantil

Fonte

Timothy J. Dailey, Ph.D.

Escândalos envolvendo o abuso sexual de menores de idade meninos de padres homossexuais têm abalado a Igreja Católica Romana. Ao mesmo tempo, os defensores do homossexualismo argumentam que as organizações de jovens, como os escoteiros devem ser forçados a incluir homossexuais entre os seus líderes adultos.

Da mesma forma, o Gay Lésbicas e Heterossexuais Education Network (GLSEN), uma organização ativista homossexual que tem como alvo as escolas, liderou a formação de "Gay-Straight Alliances" entre os estudantes. GLSEN incentiva os professores homossexuais - mesmo no mais jovem graus - para ser aberto sobre sua sexualidade, como uma forma de fornecer modelos para "gay" alunos.

Além disso, leis ou políticas que proíbem a discriminação no emprego com base na "orientação sexual" geralmente não fazem exceção para aqueles que trabalham com crianças ou jovens.

Muitos pais estão preocupados que as crianças podem ser molestadas, incentivados a se tornarem sexualmente ativas, ou mesmo "recrutados" para adotar uma identidade homossexual e estilo de vida. Ativistas gays descartar essas preocupações - em parte, por insistido incansavelmente que não há conexão entre a homossexualidade eo abuso sexual de crianças.

No entanto, apesar dos esforços dos ativistas homossexuais a distância que o estilo de vida gay de pedofilia, continua a haver uma ligação perturbadora entre os dois. Isto porque, por definição, os homossexuais masculinos são sexualmente atraídos por outros machos.

Enquanto muitos homossexuais não podem buscar jovens parceiros sexuais, as evidências indicam que um número desproporcional de homens gay procuram homens adolescentes ou meninos como parceiros sexuais. Neste artigo, vamos considerar as seguintes provas que ligam a homossexualidade à pedofilia:

Pedófilos são invariavelmente homens: Quase todos os crimes sexuais contra crianças são cometidos por homens.

Um número significativo de vítimas são do sexo masculino: Até um terço de todos os crimes sexuais contra crianças são cometidos contra meninos (em oposição às meninas).

A falácia de 10 por cento: Estudos indicam que, ao contrário das alegações imprecisas, mas amplamente aceita de sexo pesquisador Alfred Kinsey, os homossexuais constituem entre 1 a 3 por cento da população.

Homossexuais estão sobre-representados em crimes sexuais criança: Indivíduos do 1-3 por cento da população que é sexualmente atraída pelo mesmo sexo estão cometendo até um terço dos crimes sexuais contra crianças.

Alguns ativistas homossexuais defender a conexão histórica entre homossexualidade e pedofilia: ativistas Tais considerar a defesa de "boy-lovers" para ser uma legítima questão de direitos gay.

Temas pedófilo abundam na cultura literária homossexual: ficção Gay, bem como sérios tratados acadêmicos promover a "intimidade intergeracional".

Homossexuais masculinos COMMIT um número desproporcional de casos de crianças de abusos sexuais

Apologistas do homossexualismo admitir que alguns homossexuais molestar sexualmente as crianças, mas eles negam que os homossexuais são mais propensos a cometer tais crimes. Afinal, eles argumentam, a maioria dos casos de abuso sexual infantil são heterossexuais na natureza. Enquanto isso é correto em termos de números absolutos, esse argumento ignora o fato de que os homossexuais constituem apenas uma pequena porcentagem da população.

A evidência indica que os homens homossexuais molestar meninos em taxas bastante desproporcional a as taxas a que os homens heterossexuais molestar meninas. Para demonstrar isso, é necessário conectar várias estatísticas relacionadas com o problema do abuso sexual infantil: 1) os homens são quase sempre o agressor; 2) até um terço ou mais dos casos de abuso sexual de crianças são cometidos contra meninos e 3) menos de três por cento da população são homossexuais. Assim, uma pequena porcentagem da população (homens homossexuais), cometem um terço ou mais dos casos de abuso sexual infantil.

Homens respondem por quase Abuso Sexual de Todos os casos, as crianças

Um ensaio sobre agressores sexuais de adultos no livro Sexual Contra Crianças Offending relatou: "Acredita-se que a grande maioria de abuso sexual é perpetrado por homens e que os agressores do sexo feminino representam apenas uma pequena proporção de infracções De fato, com 3.000 adultos. infratores do sexo masculino na prisão na Inglaterra e País de Gales, a qualquer momento, o valor correspondente para os infratores do sexo feminino é de 12! " 1

. Kee MacFarlane, et al, escrevendo no Abuso Sexual de Crianças: Relatório de avaliação e tratamento: "A grande maioria dos agressores sexuais parecem ser do sexo masculino (Herman & Hirschman, 1981; Lindholm & Willey, 1983)." 2

Um relatório da Sociedade Americana Professional sobre o Abuso de Crianças afirma: "Em amostras clínicas e não-clínicos, a grande maioria dos agressores são homens." 3

Um estudo no Journal of Sex Research afirma que "a pedofilia não existe, ou é extremamente raro, em mulheres." 4

Uma percentagem significativa das Vítimas de abuso sexual infantil são meninos

De acordo com o Journal of Psychiatry Criança: "Acreditou-se geralmente 15 anos atrás, que as meninas eram abusadas em excesso de meninos em uma proporção de cerca de 9 a 1, mas agora os estudos contemporâneos indicam que a proporção de meninas para meninos abusados ​​diminuiu notavelmente. .. A maioria dos estudos sugerem uma comunidade... ratio... na ordem de 2 a 4 meninas para 1 menino. " 5 O estudo acrescenta que "alguns autores acreditam agora que os meninos podem ser abusadas sexualmente como comumente como meninas (Groth, 1978; O'Brien, 1980)." 6

Um estudo de 457 agressores sexuais contra crianças do sexo masculino no Journal of Marital Therapy Sex & constatou que "aproximadamente um terço destes agressores sexuais dirigidos a sua actividade sexual contra homens." 7

Abuso sexual de meninos é pouco

A porcentagem real de crianças vítimas de abuso sexual que são meninos muito provavelmente excede as estimativas acima. Muitos pesquisadores echo o ponto de vista do Jornal de estudo Psiquiatria Infantil, que se refere ao "sub-notificação da incidência e prevalência de abuso sexual em meninos." 8

Dr. Robert Johnson, em Aspectos Médicos da Sexualidade Humana, relata: "A grande maioria dos casos de abuso sexual masculino não é relatado Como resultado, esses jovens manter ambos os incidentes e os seus sentimentos para si mesmos.". 9

O Departamento de Justiça relatório sobre exploração sexual infantil explica por que o percentual de vítimas menino é subestimado: "vítimas adolescente são altamente propensos a negar determinados tipos de actividade sexual ... Eles se sentem constrangidos e envergonhados de seu comportamento e com razão acredito que a sociedade se não compreender a sua vitimização ... Não importa o que o investigador faz, mais meninos adolescentes vai negar que eles foram vítimas. " 10

Jornal de Psiquiatria Infantil acrescenta: "Os meninos são geralmente encultured em um ethos onde a auto-confiança, independência e proezas sexuais são valorizadas, enquanto mostra machucar ou homossexualidade são denegridas ... Isso pode levar a repressão poderosos ou exclusão da experiência, com falta de relatório. " 11

Homossexuais tenham menos de três por cento da população

Contando com três grandes conjuntos de dados: a Pesquisa Social Geral, o Inquérito Nacional de Saúde e Vida Social, eo censo dos EUA, um estudo recente em Demografia estima o número de homossexuais masculinos exclusivos na população em geral em 2,5 por cento, eo número de exclusiva lésbicas em 1,4 por cento. 12

Um estudo sobre o comportamento sexual de homens nos Estados Unidos com base na Pesquisa Nacional de Homens (uma amostra nacionalmente representativa composta por 3.321 homens com idades entre 20-39, publicado em Perspectivas Planejamento Familiar), constatou que "de 2 por cento dos sexualmente ativos homens com idade entre 20-39... tinha tido qualquer atividade sexual do mesmo sexo nos últimos 10 anos. Aproximadamente 1 por cento dos homens (1,3 por cento entre os brancos e 0,2 por cento entre os negros) relataram ter tido atividade exclusivamente homossexual 13.

J. Gordon Muir, escrevendo no The Wall Street Journal, discute uma série de estudos que encontraram que os homossexuais constituem entre 1 a 3 por cento da população. 14

Em um levantamento de estudos sobre os homossexuais em diferentes populações, o Archives of Sexual Behavior relatou uma amostra aleatória de moradores Estado Hawaii entrevistados por telefone. O estudo encontrou "apenas cerca de 3 por cento dos homens e 1,2 por cento das mulheres como tendo envolvido em atividade do mesmo sexo ou bissexuais." 15 No entanto, este número relativamente mais elevado é atribuído ao fato de que o estudo não se limitou a homossexuais exclusivos, mas incluídos todos aqueles que em algum momento de suas vidas envolvidas em atividades do mesmo sexo. 16

Pedófilos homossexuais são vastamente super-representados nos processos de abuso sexual infantil

Os pedófilos homossexuais molestar sexualmente crianças a uma taxa muito maior em comparação com o percentual de homossexuais na população em geral. Um estudo no Journal of Sex Research encontrados, como já observamos acima, que "aproximadamente um terço de [menores infratores do sexo] tinha vitimado os meninos e dois terços tinham vitimado meninas." Os autores então fazer uma observação presciente: "Curiosamente, esta relação difere substancialmente a proporção de gynephiles (homens que eroticamente preferem fêmeas maduras fisicamente) para androphiles (homens que preferem homens eroticamente fisicamente madura), que é pelo menos 20 para 1." 17

Em outras palavras, embora os heterossexuais superam os homossexuais em uma proporção de pelo menos 20 a 1, os pedófilos homossexuais cometem cerca de um terço do número total de crimes sexuais da criança.

Da mesma forma, o Archives of Sexual Behavior também observou que os pedófilos homossexuais são significativamente acima da média nos casos de crianças ofensa sexual:

A melhor evidência epidemiológica indica que apenas 2 a 4 por cento dos homens são atraídos para os adultos preferem os homens (Investigadores ACSF, 1992; Billy et al, 1993;. Fay et al, 1989;.. Johnson et al, 1992), em contraste, por volta de 25-40 por cento dos homens atraídos por crianças preferem meninos (Blanchard et al, 1999;. Gebhard et al, 1965;. Mohr et al, 1964).. Assim, a taxa de atração homossexual é 6 a 20 vezes maior entre pedófilos. "18

O grande desequilíbrio entre a criança assédios homossexuais e heterossexuais foi confirmado no Archives of Sexual Behavior estudo em si, que dividiu 260 participantes de pedofilia em três grupos: "152 pedófilos heterossexuais (homens com ofensas ou auto-relatados atrações envolvendo meninas só), 43 pedófilos bissexuais (meninos e meninas), e 65 pedófilos homossexuais (só os meninos). " 19 Em outras palavras, 25 por cento dos agressores eram pedófilos homossexuais - ou 41 por cento se os que molestam meninas e meninos estão incluídos.

Outros estudos relatam uma percentagem invulgarmente elevado de assédios criança por pedófilos homossexuais:

Um estudo sobre a pedofilia no Jornal de Psiquiatria da Universidade de Ottawa relatou: "Segundo a literatura, os resultados de uma relação de dois para um dos heterossexuais para homossexuais pedófilos foram documentados." 20

The Journal of Sex Research relata um estudo que incluía "199 agressores contra crianças do sexo feminino e 96 agressores contra crianças do sexo masculino ... Isto parece indicar uma prevalência proporcional de 32 por cento dos agressores homossexuais contra as crianças." 21

Um estudo de criminosos sexuais masculinos criança em Abuso e Negligência de Crianças descobriu que quatorze por cento alvo somente os machos, e um 28 por cento mais escolheram os machos como fêmeas como vítimas, o que indica que 42 por cento de pedófilos masculinos envolvidos em abuso sexual homossexual. 22

São homens que molestam os garotos realmente 'HOMOSSEXUAIS?

Apologistas Gay Insista em um estereótipo simplista da Pedofilia

Central para as tentativas de separar a homossexualidade da pedofilia é a alegação de que os pedófilos não podem, por definição, ser considerados homossexuais. Contando com uma metodologia questionável 23, o gay de advocacia organização Human Rights Campaign publicou uma "Folha informativa sobre Orientação Sexual e Abuso de Crianças", que afirma: "Um abusador sexual que molesta uma criança do mesmo sexo geralmente não é considerada homossexual." 24

A base para esta afirmação é a visão que os pedófilos que molestam meninos não pode ser considerado homossexual se esse indivíduo tem a qualquer momento, se casado ou sexualmente envolvida com as mulheres.

"Os pedófilos homossexuais ': um termo clínico

O fato é que, no entanto, que os termos "homossexual" e "pedofilia" não são mutuamente excludentes: eles descrevem dois tipos de interseção da atração sexual. Dicionário Webster define "homossexual" como alguém que é sexualmente atraída por pessoas do mesmo sexo. "Pedófilo" é definido como "um adulto que é sexualmente atraída por crianças pequenas." A definição primeiro se refere ao gênero do objeto desejado sexual, enquanto o segundo refere-se a idade do objeto desejado sexual.

A "pedofilia homossexual", do sexo masculino, em seguida, é definido como alguém que é geralmente (mas não exclusivamente, veja abaixo) sexualmente atraídos por meninos, enquanto que um "pedófilo homossexual" fêmea é sexualmente atraído por meninas. 25

O "pedófilo homossexual" termo foi usado pela primeira vez no início do século 20 pelo psiquiatra vienense Dr. Richard von Krafft-Ebing, que foi pioneiro no estudo sistemático de desvio sexual. Krafft-Ebing descrito pedófilos como heterossexual, homossexual ou bissexual orientado. 26 Esta divisão foi aceite por pedófilos si, 27 e é bem atestada na literatura:

Um estudo de molesters criança no Journal of Interpersonal Violence descobriu que "um homossexual e um heterossexual subgrupo pode ser delineada entre estes criminosos." 28

The Journal of Sex & Marital Therapy publicou um estudo sobre o mesmo tema, que discutiu "as prevalências proporcional de pedofilia heterossexual e homossexual". 29 O estudo comentou sobre um estudo que descobriu que "a percentagem de pedófilos homossexuais seria 45,8." Mesmo ajustado para baixo para exibicionistas ", isto ainda indicam uma percentagem muito maior (34 por cento) de homossexuais entre os pedófilos que entre os homens que preferem parceiros fisicamente maduro." 30

Em uma revisão de estudos sobre a pedofilia, o Jornal de Psiquiatria da Universidade de Ottawa concluiu: "Os resultados de estudos anteriores relatam que os pedófilos podem ser divididos em pedófilos heterossexuais e homossexuais de acordo com suas preferências eróticas ... Isto foi confirmado nesta recente. estudo. " O artigo 31 classificados pedofilia homossexual em três tipos: a pedofilia homossexual socialmente inadequados, o pedófilo intrusiva homossexual, o pedófilo e homossexual indiferenciada. 32

Um estudo de pedófilos na Pesquisa de Comportamento e Terapia concluiu: "A segunda, e talvez a observação mais importante que fizemos, é que um homossexual e um subgrupo heterossexuais pode ser delineada entre estes criminosos ... categorizando-os desta forma revelou diferenças importantes em o padrão de suas preferências sexuais. " 33

International Journal of Offender Terapia e Criminologia Comparada refere-se a pedófilos homossexuais como um "grupo distinto." As vítimas dos pedófilos homossexuais "eram mais prováveis ​​de serem estranhos, que eram mais propensos a ter um comportamento parafílico separado do que envolvido no crime, e que eram mais propensos a ter condenações anteriores por crimes sexuais ... Outros estudos [mostrou a] maior risco de reincidência do que aqueles que tinha ofendido contra as meninas "e que" a taxa de reincidência para o sexo masculino vítima-reclusos é aproximadamente o dobro de vítimas do sexo feminino-criminosos. " 34

Homossexuais e pedófilos homossexuais Envolver-se em uma ampla variedade de comportamentos sexuais que desmente Categorias Simplistic

Apesar desta evidência, em seus esforços para o divórcio a homossexualidade da pedofilia, apologistas homossexuais insistem em uma definição rígida e estreita dos termos "homossexual" e "pedofilia" que não permite sobreposição dos termos. Eles negam que os homossexuais são atraídos em número exagerado para os meninos. Eles também afirmam que os pedófilos não podem ser classificados como "homossexual" se em algum momento eles tiveram relações sexuais com mulheres.

No entanto, tal definição estreita não faz justiça à natureza complexa da pedofilia. Os pesquisadores há muito tido conhecimento de que os pedófilos exibem uma grande variedade de atrações e comportamento sexual - muitas vezes para chamar a atenção longe de sua luxúria primária para meninos. Um estudo sobre criminosos sexuais no International Journal of Offender Terapia e notas de Criminologia Comparada que "os abusadores razão sexual de crianças é bem sucedido no resto não detectado é porque eles não se encaixam um estereótipo." 35

Os dados indicam que AMBOS homossexualidade e pedofilia se interceptam CATEGORIAS que admitem a uma grande variedade de comportamento sexual.

Os homens homossexuais são sexualmente atraída por rapazes menores de idade

Um estudo na revista Archives of Sexual Behavior descobriu que os homens homossexuais são atraídos para jovens do sexo masculino. O estudo comparou as preferências idade sexual dos homens heterossexuais, mulheres heterossexuais, homossexuais e lésbicas. Os resultados mostraram que, em contraste com as outras três categorias, "todos menos 9 dos 48 homens homossexuais preferência mais jovem das duas categorias de idade do sexo masculino", que incluía homens tão jovens quanto aos quinze anos. 36 O Relatório Gay, por pesquisadores homossexuais Karla Jay e Allen Young, os autores relatam dados que mostram que 73 por cento dos homossexuais entrevistados tiveram em algum momento tiveram relações sexuais com meninos 16-19 anos de idade ou mais jovens. "37

Por outro lado, os pedófilos homossexuais são muitas vezes atraídos por homens adultos

Um estudo de criminosos sexuais contra crianças do sexo masculino na Pesquisa de Comportamento e Terapia descobriram que homens pedófilos homossexuais são sexualmente atraídas por "homens de todas as idades." Comparação com os não-infratores, os criminosos mostraram "uma maior excitação" para slides de homens nus tão antiga quanto a 24: "Como um grupo, a criança molesters responsed [sp] com arousa sexual moderada ... para os machos nus de todos os as idades. " 38

Um estudo dos canadenses preso por pedofilia no Journal of Interpersonal Violence constatou que 30 por cento dos criminosos adultos do sexo masculino envolvidos em actos homossexuais com homens adultos. 39

Muitos pedófilos, na verdade, se consideram homossexuais. Um estudo de 229 crianças molesters condenado em Archives of Sexual Behavior descobriu que "86 por cento dos agressores contra os homens se descreveram como homossexuais ou bissexuais." 40

Fr. John Harvey, fundador e diretor da Coragem, um ministério de apoio para os católicos que lutam contra a atração pelo mesmo sexo, explica que "o pedófilo difere do homossexual comum em que o primeiro admira infantilidade no objeto de seus afetos, enquanto o último admira manliness . " 41 No entanto, as categorias não estão completamente separadas:

Embora admitindo que a maioria dos homossexuais não são despertadas por jovens rapazes, a distinção entre homossexualidade e pedofilia homossexual não é completamente absoluto. Em alguns casos o interesse oscila entre adolescentes jovens e adultos, em outros entre meninos e adolescentes, em casos excepcionais, um homem pode estar interessado em meninos de uma só vez e adultos em outro. 42

Pedófilos muitos são atraídos por mulheres, casar e ter filhos

Ativistas gays insistem que a pedofilia não tem nada a ver com a homossexualidade, porque os pedófilos são apenas sexualmente interessada em crianças, enquanto os homossexuais só têm relações sexuais com adultos. Já vimos que essa visão estereotipada não é correto em relação aos homossexuais. Há também evidências abundantes demonstrando que, enquanto interessados ​​principalmente em crianças, os pedófilos, no entanto, apresentam uma grande variedade de comportamentos sexuais, incluindo relações com as mulheres:

Um estudo realizado em Abuso e Negligência de Crianças descobriu que 48 por cento dos criminosos nem eram casados ​​ou tinham sido casadas em algum momento. 43

The Journal of Interpersonal Violence estudou as preferências sexuais dos pedófilos do sexo masculino que abusaram sexualmente de crianças. Quando compararam a resposta sexual dos pedófilos com o grupo controle, eles descobriram, inesperadamente: "Surpreendentemente, os dois grupos não diferiram em sua resposta aos estímulos nu feminino." 44

Um estudo no Jornal de Psiquiatria da Universidade de Ottawa relatou que "a maioria dos pedófilos de meia-idade tiveram atividade sexual adulto significativo". 45 Cinqüenta e oito por cento dos pedófilos em um estudo tinham pelo menos um filho, enquanto outra pesquisa indicou que "mais de dois terços dos pedófilos casados ​​em sua amostra tinha filhos, com uma média de dois a três filhos por assunto." 46

Um relatório do Departamento de Justiça abordou a estratagemas desonestos dos pedófilos, que não medem esforços para esconder seus verdadeiros desejos: ". Caras legais" criminosos sexuais preferencial pode ser "pilares da comunidade e são freqüentemente descritos como Eles têm quase sempre um meio de acesso para as crianças (por exemplo, através da vizinhança, casamento, ou profissão.) "47

Assim, a evidência mostra que pedófilos homossexuais não podem ser estritamente definidos como indivíduos que são exclusivamente atraídos para menores de idade meninos. De fato, há uma considerável sobreposição entre homossexualidade e pedofilia.

PEDOFILIA NA CULTURA GAY

A ligação histórica entre Pedofilia eo Movimento Gay Rights

David Thorstad é um ativista homossexual e historiador do movimento dos direitos gays. 48 Ele é um ex-presidente da Alliance de Nova York Ativistas Gays (GAA), um grupo ativista protótipo fundada em dezembro de 1969. O gaa em seu início oposição leis de consenso etário, que proibiu os adultos de sexo com crianças. 49 Thorstad também é um pedófilo e membro fundador da American Man Boy Norte Amor Association (NAMBLA).

Thorstad argumenta que há uma ligação natural e inegável entre homossexualidade e pedofilia. Ele expressa a amargura que o movimento gay tem, em sua visão, abandonou a pedofilia. Thorstad escreve: "Boy-amantes estavam envolvidos no movimento gay desde o início, e sua presença era tolerada grupos de jovens adultos Gay incentivados a participar de suas danças ... Havia um clima de tolerância, mesmo a alegria de descobrir a miríade de estilos de vida. dentro da subcultura gay e lésbica. " 50

A edição inaugural do Notícias da Comunidade Gay, em 1979, publicou uma "Declaração para o Movimento de Libertação Gay da questão do Homem / Boy Love", que desafiou o movimento de retorno a uma visão de libertação sexual. Ele argumentou que "o objetivo final de liberação gay é a conquista da liberdade sexual para todos - não apenas direitos iguais para" homens gays e lésbicas ", mas também a liberdade de expressão sexual para os jovens e crianças."

Nos primeiros anos houve alguma relutância em aceitar a pedofilia, principalmente entre grupos de ativistas feministas e lésbicas. Em março de 1979 a Libertação Lésbica Feminista (LFL) acusando chamado "Man / Boy Lovers" de "tentar legitimar o sexo entre crianças e adultos ... As feministas facilmente reconhecer isso como a última tentativa de fazer a exploração sexual de crianças palatável. " A coalizão foi arquivado como oposição "o abuso sexual de crianças por pessoas heterossexuais ou homossexuais." 51

Apesar desta oposição, Thorstad afirma que em 1985 os pedófilos homossexuais ganhou aceitação dentro do movimento gay. Ele cita Jim Kepner, então curador do Arquivo Internacional de Gays e Lésbicas de Los Angeles: "Um ponto que eu venho tentando fazer é que se rejeitarmos a boylovers no meio de nós hoje é melhor parar de acenar a bandeira da Antiga gregos, de Michelangelo, Leonardo da Vinci, Oscar Wilde, Walt Whitman, Horatio Alger, e Shakespeare. É melhor parar de reivindicá-los como parte de nossa herança, a menos que estamos a alargar o nosso conceito do que significa ser gay hoje. " 52

Em 1985 NAMBLA foi admitido como membro no conselho de Nova York de Organizações de Gays e Lésbicas, bem como a Associação Internacional Gay - agora o International Lesbian and Gay Association (ILGA). Em meados da década de 1990 ILGA associação da NAMBLA e grupos de pedófilos outros custos da organização é status como uma Organização Não-Governamental nas Nações Unidas.

Nova tentativa da ILGA para ser admitido na ONU foi rejeitada novamente em abril de 2000 porque a organização "não documento que tinha purgado grupos pedófilo como [NAMBLA]." Os relatórios de Washington Times que Ishtiag H. Anrabi, delegado do Paquistão para o Conselho Econômico e Social, expressaram preocupação de que ILGA continuava a ser secreto sobre os laços com os grupos de pedófilos: "Por mais de um ano, a ILGA tem se recusado a fornecer a documentação ou permitir a revisão de sua lista de membros para demonstrar que os grupos de pedofilia foram expulsos. " 53

Temas pedófilo Abound em Literatura Gay

O falecido "beat" poeta Allen Ginsberg ilustra a conexão perfeita entre homossexualidade e pedofilia. Muitos sabem Ginsberg como um poeta "out" ilustre homossexual: poucos sabem que ele também era um pedófilo.

Biógrafo Jean-Raymond Frontain refere-se a publicações de Ginsberg em ambos os NAMBLA Boletim e Jornal NAMBLA. Ele discute como biógrafos Ginsberg não discutir seus poemas que continha temas pederastas:

Embora ambos os Shumacher e Barry Miles (biógrafo inicial Ginsberg) francamente discutir política sexual de Ginsberg, nem se refere a seu envolvimento com o controverso North American Man / Boy Amor Associação ... Reli Collected Poems e dois Ginsberg coletas subseqüentes, surpreso com o padrão de referências a sexo anal e pederastia que surgiram. 54

Ginsberg foi um dos primeiros de um número crescente de escritores homossexuais que servem para o fascínio com a pedofilia na comunidade gay. Mary Eberstadt, escrevendo no Weekly Standard, documentos como o tabu contra o sexo com crianças continua a corroer - com o impulso vindo de escritores homossexuais. 55

Reveladora, os exemplos que ela oferece de pedofilia na literatura atual vem de ficção gay. Eberstadt cita o Village Voice, que afirma que "ficção Gay é rica em contas idílica de 'relações intergeracionais', como tais assuntos são respeitosamente chamado nestes dias." 56 Outros exemplos de pedofilia com temática de ficção gay incluem:

Na introdução do "mainstream" homossexual antologia Livro Pinguim em Writing Gay International, David Leavitt notas assunto com naturalidade que "Outra 'proibido' tema a partir do qual escritores europeus parecem menos propensas a diminuir é o amor de homens mais velhos para os meninos jovens . " Leavitt elogios um livro com um tema pedófilo incluído na antologia como uma "narrativa friamente certeza [que] obriga o leitor a imaginar o mundo de uma perspectiva que ele pode ordinariamente condenar." 57

Vários textos incluídos em outra antologia, A Canon Gay: Grandes Livros Every Man Gay deve ler, apresentar cenas do homem-menino sexo. Um tal livro é elogiado como "uma aventura de ópera para os reinos do amor, a personalidade, ambição e arte... Uma pura alegria de ler." O protagonista é "o sonho de um pedófilo: a mente de um homem no corpo de um menino." 58 Outra novela que inclui descrições gráficas de violência sexual contra meninos é dito "[lágrima] direto ao coração de uma das maiores fontes, a nível da comunidade, da década de 1990 angst gay: O que fazer com os homens que amam meninos" 59

Contudo uma outra antologia de ficção homossexual, uma história da literatura Gay: A Tradição Masculino, publicado pela Yale University Press, inclui "um capítulo longish em 'Meninos e Boyhood", que é um relato aparentemente definitivo da pró-pedofilia obras literárias. " 60 O autor parece mais preocupado com os sentimentos e emoções do homem do que com sua vítima menino. Ele explora a questão do "ter ou não relação [ter relações sexuais com meninos] como uma forma de se retirar da vida ou, pelo contrário, como uma forma de envolver com ele em seu nível mais honestos e menos corrompido." 61

Um percentual significativo de livros que apareceram na lista do bestseller de Gays Imprensa ficção contêm temas pedofilia, incluindo:

Alguns meninos : descrito como um "livro de memórias de um amante de meninos" que "evoca jovens amigos do autor ao longo de quatro décadas". 62

Para um Soldado Perdido : a história de uma relação sexual entre um soldado e um menino de onze anos de idade, definido durante a Segunda Guerra Mundial. 63

Um bom começo, Considerando : ainda uma outra história sobre um menino de onze anos que sofre abuso sexual, mas é resgatado por um adolescente que "oferece-lhe amor e carinho" 64 (!)

Terre Haute : anunciado como "Um romance poético do despertar sexual no Meio-Oeste americano, traçando uma viagem adolescente da introspecção ao desejo perigoso."

Shiva e Arun : ". descobrir cedo as alegrias do sexo" a história de dois adolescentes indianos

Teardrops on My Tambor : crianças descalças, em 1920, de busca do Liverpool para a "aventura, amor e sexo".

Pró-pedofilia Publicações

Nos últimos anos temos assistido ao surgimento de publicações que emprestam um verniz erudito ao fascínio com a pedofilia na comunidade gay. Tais publicações tentativa de fazer o caso para "intimidade intergeracional". A maior editora do país, gay, Alyson Publications, que distribui companheiro do papai e outros livros homossexuais que promovem a homossexualidade para as crianças, publica livros defendendo o homem-menino sexo, incluindo:

Pedofilia: O Caso Radical, que contém informações detalhadas sobre como se envolver em relações sexuais com meninos. 65

O Taboo Idade, outra defesa da pedofilia, que afirma: "Boy-amantes ... não são molesters A criança abusadores são os pais que forçam a sua moralidade staid para os jovens sob sua custódia....." 66

Jornal da homossexualidade e pedofilia

O Journal of Homosexuality é visto como o "mainstream" premier publicação Inglês-língua do movimento gay. Um editor de destaque é John DeCecco, um psicólogo de San Francisco State University, que também faz parte do conselho editorial da revista holandesa pedófilo Paidika. Portanto, não é surpreendente ver a pedofilia promovido em suas páginas.

Em 1990, o Journal of Homosexuality publicou uma série de ensaios sobre pedofilia que foram eventualmente publicados como Intimacy Inter-Geracional Masculino: Histórico, Perspectivas Sócio-Psicológica e Legal, editado por Edward Brongersma pedófilo. Nenhum dos ensaios ofereceu qualquer crítica substantiva de pedofilia: a maioria descaradamente promovido amar o homem-menino como o direito natural de homossexuais.

Em 1999, Helmut Graupner, escreveu um artigo sobre pedofilia no Journal of Homosexuality, na qual ele afirma: ". Homem / menino e mulher / menina, sem dúvida, as relações são relações homossexuais e eles não constituem um aspecto da vida de gays e lésbicas" Graupner argumenta que, como tal, relações sexuais consensuais entre adultos homossexuais e jovens como os jovens de catorze qualifica como uma "questão de direitos gay." 67

O fascínio com a pedofilia continua a ser um motivo de preocupação até mesmo dentro da comunidade gay. Lesbian colunista Paula Martinac, escrevendo no jornal Washington homossexuais Blade, afirma:

[S] ome gays ainda sustentam que um adulto que tem relações homossexuais com alguém abaixo da idade legal de consentimento é em algum nível, fazendo o garoto um favor ao ajudar a levá-la 'fora'. Não é a pedofilia, esse pensamento vai - a pedofilia se refere apenas a crianças. Em vez disso, adultos e jovens do sexo é visto como um aspecto importante da cultura gay, com uma história que remonta ao "amor grego" dos tempos antigos. Esta versão romantizada de adultos e jovens relações sexuais tem sido um grampo da literatura gay e tem feito aparições, também, em filmes com temática gay. 68

Martinac acrescenta que "Quando alguns homens gays venerar adultos e jovens do sexo como afirmando ao mesmo tempo, declarando que" Nós não somos pedófilos ", eles enviam uma mensagem inconsistente para a sociedade ... A comunidade de lésbicas e gays nunca serão bem sucedidos na luta contra o estereótipo de pedofilia até que todos parar de tolerar sexo com jovens. " 69

Vitimizadores LIGOU vítima: As conseqüências do abuso filho homossexual

A negação dos laços firmes com a pedofilia perturbadora dentro do movimento homossexual não é uma questão puramente acadêmica. Talvez o aspecto mais trágico da ligação homossexual-pedofilia é o fato de que os homens que molestar sexualmente meninos muitas vezes levam suas vítimas para a homossexualidade e pedofilia. A evidência indica que uma elevada percentagem de homossexuais e pedófilos foram eles próprios abusos sexuais quando crianças:

The Archives of Sexual Behavior relata: "Uma das conclusões mais salientes deste estudo é que 46 por cento dos homens homossexuais e 22 por cento das mulheres homossexuais relataram ter sido molestadas por uma pessoa do mesmo sexo Isto contrasta com apenas 7 por cento dos heterossexuais. homens e 1 por cento das mulheres heterossexuais relataram ter sido molestadas por uma pessoa do mesmo sexo. " 70

Um estudo de homens 279 homossexuais / bissexuais com AIDS e pacientes controle discutido no Journal of the American Medical Association relatou: "Mais da metade de ambos os casos e os controles relataram um ato sexual com um homem por volta dos 16 anos, aproximadamente 20 por cento 10 anos de idade. " 71

Observou abuso sexual contra crianças especialista David Finkelhor descobriu que "os meninos vitimados por homens mais velhos foram mais de quatro vezes mais probabilidade de estar atualmente envolvidos em atividade homossexual do que os não-vítimas. A descoberta aplicado a quase metade dos meninos que tinham tido uma experiência desse tipo .. Além disso, os próprios adolescentes muitas vezes ligada a sua homossexualidade para as suas experiências de vitimização sexual. " 72

Um estudo publicado na International Journal of Offender Terapia e Criminologia Comparada encontrado: "No caso das experiências de infância sexual antes da idade de quatorze anos, 40 por cento (da amostra pedófilo) relataram que tinham estado envolvidos" muito frequentemente "em atividade sexual com um adulto, com 28 por cento afirmando que este tipo de atividade tinha ocorrido 'às vezes'. " 73

Um Instituto Nacional de Justiça relatório afirma que "as chances de que uma infância vítima de abuso sexual será preso como um adulto por qualquer crime sexual é 4,7 vezes maior do que para as pessoas ... que não experimentaram a vitimização como crianças." 74

A Abuso e Negligência estudo descobriu que 59 por cento dos criminosos sexuais masculinos criança tinha sido "vítima de abuso sexual de contato como uma criança." 75

Jornal de Psiquiatria Infantil observou que "há uma tendência entre as vítimas menino recapitular sua própria vitimização, só que desta vez com eles mesmos no papel de agressor e outra pessoa da vítima." 76

O círculo de abuso é o legado trágico das tentativas por homossexuais para legitimar ter relações sexuais com meninos. Para os meninos muitos já é tarde demais para protegê-los daqueles que se aproveitou de sua necessidade de amor e atenção. Todos os demais depois perpetrar o abuso por si engajar no abuso sexual de meninos. Apenas expondo as mentiras, desmentidos insincero, e decepções - incluindo aqueles envolvidos em traje escolar - daqueles que se aproveitam sexualmente de crianças, podemos ter esperança de construir um muro de proteção em torno das crianças indefesas no meio de nós.

Notas

1. Amanhecer Fisher, "agressores sexuais de adultos: Quem são eles porque e como eles fazem isso" em Tony Morrison, et al, eds, ofensivos Sexual Contra Crianças (London: Routledge, 1994).., p. 11.

2. Kee MacFarlane, et al, Abuso Sexual de Crianças:. Avaliação e Tratamento (New York: The Guilford Press, 1986), p. 9.

3. John Briere, et al, eds, O Manual do APSAC sobre maus-tratos Infantil (Thousand Oaks, Califórnia: Sage Publications, 1996).., P. 52, 53.

4. Kurt Freund, et al, "A heterossexualidade, homossexualidade, e de preferência Idade Erótica," Journal of Sex Research 26 (fevereiro 1989):. 198. Veja também Freund (1992): "Nas mulheres, pedofilia ou é muito rara, ou praticamente inexistente", p. 34.

5. Bill Watkins & Arnon Bentovim, "Abuso sexual de crianças do sexo masculino e adolescentes: uma revisão da pesquisa atual," Journal of Psychiatry Criança 33 (1992); em Byrgen Finkelman, Abuso Sexual (New York: Garland Publishing, 1995), p. 300.

6. Ibid.

7. Kurt Freund, et al, "Pedofilia e Heterossexualidade Homossexualidade vs", Journal of Marital Therapy Sex & 10 (1984):. 197. "A prevalência proporcional de criminosos contra crianças do sexo masculino nessa faixa de 457 agressores contra crianças foi de 36 por cento." Veja também, Kurt Freund, et al. "Preferências Idade heterossexualidade, homossexualidade e eróticas", "Aproximadamente um terço destes indivíduos tinham vitimado os meninos e dois terços tinham vitimado meninas. Este achado é consistente com as proporções relatada em dois estudos anteriores ", p. 107.

8. Watkins & Bentovim, p. 215.

9. Robert L. Johnson, "a longo prazo efeitos do abuso sexual em meninos," Aspectos Médicos da Sexualidade Humana (Setembro 1988): 38.

10. "Compreender e Investigando Exploração Sexual de Crianças", (EUA Departamento de Justiça, Escritório de Programas de Justiça, 1997), p. 12.

11. Watkins & Bentovim, p. 302.

12. Dan Black, et al, "Demografia da População de Gays e Lésbicas dos Estados Unidos: Evidências de fontes sistemáticas de dados disponíveis,". Demografia 37 (Maio de 2000): 150.

13. OG John Billy, et al, "Comportamento Sexual de Homens A nos Estados Unidos," Perspectivas de Planejamento Familiar 25 (Março / Abril de 1993):. 58.

14. J. Gordon Muir, "Os homossexuais ea Falácia de 10 por cento," Wall Street Journal (31 de março, 1993).

15. Milton Diamond, "Homossexualidade e Bissexualidade em diferentes populações," Archives of Sexual Behavior 22 (1993): 300.

16. Ibid. Significativamente, uma série de estudos que foram pesquisados, e que enviesada as percentagens globais de homossexuais para cima, incluídos, tais como os definidores vaga de ter tido "qualquer contato com o corpo homossexual". Em contraste, um estudo que foi limitado à auto-identificação de homossexuais constatou que menos de 2 por cento dos entrevistados do sexo masculino consideravam seu "orientação sexual" ser homossexual, p. 293.

17. Kurt Freund, et al. "Heterossexualidade, homossexualidade, e de preferência Idade Erotic", p. 107. Em estudos anteriores e este, Freund afirma que os homossexuais não são mais propensos do que os heterossexuais a ser atraídos para as crianças (p. 115). . No entanto, Silverthorn, et al, menciona as limitações dos estudos por Freund e outros: "Estudos de homossexuais preferências masculinas também são limitados ... O Freund et al (1973) estudo foi possivelmente comprometida porque os homens homossexuais utilizados no estudo. foram selecionados para serem sexualmente atraídos por adultos, mas não adolescente, do sexo masculino. O Bailey et al. (1994) estudo foi limitado na medida em que os participantes não se apresentam com estímulos objetivo, mas simplesmente pediu aos participantes que relatem o que a idade do parceiro sexual eles preferiam. ...... o Jankowiak et al (1992) estudo foi limitado de duas formas: os participantes homossexuais do sexo masculino apresentaram uma faixa etária limitada de "meia-idade profissionais e os estímulos apresentados aos participantes também foram de uma faixa etária limitada ( "universidade de meia-idade ')." Silverthorn tentou corrigir estas deficiências, e em seu estudo encontrou que os homossexuais "preferido parceiros mais jovens do que aqueles que preferem parceiros do sexo feminino" - incluindo aqueles tão jovem quanto quinze. Zebulon A. Silverthorne e Vernon L. Quinsey, "Preferências Parceiro Sexual Age of homens homossexuais e heterossexuais e mulheres," Archives of Sexual Behavior 29 (Fevereiro de 2000): 67-76.

18. Ray Blanchard, et al, "Ordem de Nascimento Fraternal e Orientação Sexual na Pedófilos," Archives of Sexual Behavior 29 (2000):. 464.

19. Ibid., P. 471.

20. John MW Bradford, et al, "A Heterogeneidade / A homogeneidade da Pedofilia," Jornal de Psiquiatria da Universidade de Ottawa 13 (1988):. 225. Em outra parte do estudo, observa: "Os pesquisadores de várias estimada a incidência de pedofilia homossexual entre 19 por cento e 33 por cento dos assédios relatado", p. 218.

21. Freund, "Pedofilia e Heterossexualidade Homossexualidade vs", p. 197.

22. Michele Elliott, "Prevenção do Abuso Sexual Chld: O que Delinquentes Diga-nos," Abuso e Negligência de Crianças 19 (1995): 581.

23. A folha de fato discute um estudo realizado por Carole Jenny, et al., Que afirma que apenas 2 dos 269 molesters criança poderia ser identificado como gay ou lésbica. Carole Jenny, et al. "São crianças com risco de abuso sexual por homossexuais?" Pediatria 94 (Julho de 1994): 41-44. No entanto, o estudo utilizou uma técnica Jenny pesquisa atípico: o molesters criança relatou em si não foram entrevistados. Em vez disso, os pesquisadores invocado as opiniões subjetivas de "informantes" que acompanhou a criança vítima para a clínica médica. As qualificações para tal "informantes" para determinar o comportamento sexual do molester acusado não foram estabelecidas. No entanto, uma vez que é "determinado" de antemão que os pedófilos que molestam meninos não pode ser considerado gay ou homossexual se eles tiveram relações sexuais com mulheres, é uma conclusão precipitada de que poucos se qualquer um dos pedófilos - que muitas vezes têm namoradas, são casados , e ter filhos - será marcado homossexual. O estudo Jenny usou este perfil estreito, apesar do fato de que o próprio estudo descobriu que 22 por cento dos agressores eram do mesmo sexo como a vítima. Nestes casos, o molesters claramente envolvidos em abuso sexual homossexual.

24. "Folha informativa sobre Orientação Sexual e Abuso de Crianças", Human Rights Campaign (2001): disponível em: http://hrc.grassroots.com/family/soandchildabusefact/. A folha de fato discute um estudo realizado por Carole Jenny, et al., Que afirma que apenas 2 dos 269 molesters criança poderia ser identificado como gay ou lésbica. Carole Jenny, et al. "São crianças com risco de abuso sexual por homossexuais?" pp 41-44. No entanto, o estudo utilizou uma técnica Jenny pesquisa atípico. A criança relatou molesters mesmos não foram entrevistados, em vez disso, os pesquisadores invocado as opiniões subjetivas de "informantes" que acompanhou a criança vítima para a clínica médica.

25. Note que a definição bem aceita de "criança" como alguém entre a infância ea idade de maturação é empregado aqui.

26. John MW Bradford, et al., P. 218.

27. "[Pedófilos] pode ser de qualquer sexo ou qualquer [sexual] de orientação, ou seja, homossexual, heterossexual ou bissexual." Pedofilia: Algumas perguntas e respostas (London: Troca Informacional pedófilo, 1978), citado em Seth L. Goldstein, "Investigando a Exploração Sexual Infantil: Papel de aplicação da lei," FBI Law Enforcement Bulletin 53 (janeiro 1984): 23.

28. WL Marshall, et al, "agressores sexuais contra crianças do sexo masculino: Preferências sexuais". Pesquisa de Comportamento e Terapia 26 (março 1988): 390.

29. Kurt Freund, et al. "Pedofilia e Heterossexualidade Homossexualidade vs", p. 194.

30. Ibid., P. 197.

31. Bradford, et al., P. 217.

32. Ibid., Pp 218, 219.

33. Ibid., P. 390.

34. Bickley, p. 56.

35. Danni Krisin A., et al, "Análise de Predicadores da Criança Sex Offender Tipos Usando relatórios de investigação Presentence," International Journal of Offender Terapia e Criminologia Comparada 44 (2000):. 491.

36. Zebulon A. Silverthorne e Vernon L. Quinsey, "Preferências Parceiro Sexual Age of homens homossexuais e heterossexuais e Mulheres", p. 70.

37. Karla Jay e Allen Young, O Relatório Gay: Lésbicas e Gays falar sobre experiências sexuais e Estilos de Vida (New York: Summit Books, 1979), p. 275

38. WL Marshall, et al, "agressores sexuais contra crianças do sexo masculino: Preferências sexuais". P. 383.

39. WL Marshall, et al ", início precoce e sexualidade desviante em molestadores de crianças," Journal of Interpersonal Violence 6 (1991):. 323-336.

40. WD Erickson, "padrões de comportamento de molestadores de crianças," Archives of Sexual Behavior 17 (1988): 83.

41. John F. Harvey, OSFS, a pessoa homossexual: Pensando em New Pastoral (San Francisco: Ignatius Press: 1987): 219

42. Ibid., P. 221.

43. Elliott, p. 581.

44. WL Marshall, et al, "agressores sexuais contra crianças do sexo masculino: Preferências sexuais". P. 383.

45. Bradford, p. 219.

46. Bradford, p. 224.

47. "Compreender e Investigando Exploração Sexual Infantil", p. 2.

48. Thorstad é co-autor, com John Lauritsen, do movimento dos direitos homossexuais no início (1864-1935) (New York: Times Pressione Alterar, 1974).

49. David Thorstad, "Que Amor / Menino eo norte-americano Gay Movimento" Journal of Homosexuality 20 (1990): 252.

50. Ibid., P. 253.

51. Ibid., P. 258.

52. Ibid., P. 266.

53. George Archibald, "UN Grupo Mantém Proibição de Lobby Gay," Washington Times (01 de maio de 2002).

54. Raymond-Jean Frontain, "The Works of Allen Ginsberg," Journal of Homosexuality 34 (1997).

55. Mary Eberstadt "," Chic Pedofilia 'Reconsidered "The Weekly Standard 6 (08 de janeiro de 2001).

56. Ibid., P. 21.

57. Ibid., P. 22.

58. Ibid.

59. Ibid.

60. Ibid., P. 23.

61. Ibid. Ênfase adicionada por Eberstadt.

62. Ibid., P. 23.

63. Ibid.

64. No site do Gay Men de Imprensa: www.gmppubs.co.uk / cgi-bin / web_store / web_store.cgi

65. Tom O'Carroll, Pedofilia: O Caso Radical (Boston: Alyson Publications, 1982).

66. Daniel Tsang, editor, The Age Taboo: Sexualidade Masculino Gay, Power, and Consent (Boston: Alyson Publications, Londres: Imprensa Men Gay, 1981), p.144.

67. Helmut Graupner, "Amor Versus Abuso: Crossgenerational Relações Sexual de Menores: uma questão de direitos Gay" Journal of Homosexuality 37 (1999): 23, 26.

68. Paula Martinac, "Mensagens mista sobre Pedofilia precisam ser esclarecidos, Unificado," Washington Blade (15 de março, 2002).

69. Ibid.

70. Marie, E. Tomeo, et al, "Dados comparativos da Infância e Adolescência Molestation de pessoas heterossexuais e homossexuais," Archives of Sexual Behavior 30 (2001):. 539.

71. Harry W. Haverkos, et al, "o início de comportamento homossexual masculino," The Journal of the American Medical Association 262 (28 de julho de 1989):. 501.

72. Watkins & Bentovim, p. 316.

73. Gary A. Sawle, Jon Kear-Colwell, "Estilo de Apego Adulto e Pedofilia: uma perspectiva de desenvolvimento," International Journal of Offender Terapia e Criminologia Comparada 45 (Fevereiro de 2001): 6.

74. Cathy Spatz Widom, "Vítimas de abuso sexual na infância - Consequências Mais tarde Criminal," Vítimas de Abuso Sexual Infantil Série: NIJ Pesquisa em breve, (Março de 1995): 1.

75. Elliott, p. 582.

76. Watkins, p. 319. Watkins menciona vários estudos confirmando que entre 19 por cento e 61 por cento dos abusadores sexuais masculinos já havia sido abusada sexualmente si.

Dr. Dailey é um membro sênior para estudos de cultura no Conselho de Pesquisa da Família.

Este artigo pode ser encontrado no Conselho de Pesquisa Familiar site e reproduzido com permissão.



Copyright © 2001-2011 OrthodoxyToday.org.

Todos os direitos reservados. Qualquer reprodução deste artigo está sujeita à política do detentor dos direitos individuais. Sigam o link de direitos autorais para detalhes.

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...