domingo, 30 de outubro de 2011

O super-herói homossexual

A indoutrinação em favor do esquerdismo feito através das bandas desenhadas continua a todo o vapor.

O "forcing" que é feito de forma a que as crianças aceitem a sodomia como uma práctica sexual normal, combinada com a promoção de grupos étnicos e religiosos que se alinham com a esquerda política americana, chegou a tal ponto que agora as crianças vão agora ser sujeitas a um super-herói mexicano homossexual chamado Bunker.

O criador desta nojice, Scott Lobdell, descreve o novo super-herói da seguinte forma:

O seu verdadeiro nome é Miguel Jose Barragan e ele foi criado numa pequena vila mexicana chamada de El Chilar. Ele é amado pela sua família e por toda a vila - eles aceitam a sua homossexualidade da mesma forma que aceitaram os seus super poderes quando estes se começaram a manifestar.

Devido a isso, ele cresceu num ambiente livre de temor e como tal ele tem uma visão da vida refrescante.

Acho que sei para onde isto caminha; "foi então que Miguel chegou aos EUA, a terra do gringo racista e homofóbico" etc, etc...

A maior parte de nós cresceu com super-heróis que, de certa forma, ensinavam algum tipo de comportamento moral superior. As gerações actuais, no entanto, são forçadas a ler sobre super-heróis politicamente correctos.

Outra coisa que convém levar desta história é: alguém ainda tem dúvidas que o lobby sodomita tem as crianças em vista?

O próximo alvo dos activistas homossexuais: os teus filhos.

sábado, 29 de outubro de 2011

Pós-Graduação em Estudos LGBT

A normalização de vícios auto-destrutivos avança. Uma conhecida instituição de ensino lisboeta agora oferece "pós-graduação em estudos LGBT" [Lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais].

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Escola chinesa incentiva masculinidade para acabar com "meninos mariquinhas"

Notícia antiga mas mesmo assim relevante.

Um colégio para machos. Preocupada com a mudança de comportamento dos rapazes , uma escola chinesa decidiu colocar em prática uma iniciativa chamada 'Procurando Homens de Verdade'. A ideia é justamente 'incentivar a masculinidade' de seus alunos.

Segundo a Qinlinglu Elementary School, que fica na cidade de Zhengzhou, os meninos devem agir mais como homens e menos como maricas. Assim, eles são ensinados a agir de forma mais masculina e são obrigados a jurar que são 'homens de verdade', relata o jornal Daily Dahe.

Wang Jianhua, professor da escola há 14 anos, disse que os garotos estavam apresentando cada vez mais um comportamento de mulherzinha. "O jogo favorito era pular corda, que é uma brincadeira de menina", explica o professor. "E os meninos são muito frágeis. Uma pequena bronca e eles já estavam chorando alto".

Em contrapartida, Wang disse que as meninas estavam cada vez mais selvagens. "Elas gostavam de lutar e adoptavam características cada vez mais fortes", disse.

Agora, a escola pretende contratar mais professores do sexo masculino para dar aos meninos exemplos de homens fortes. "As mães tendem a ser responsáveis pelos filhos em casa. Na China, devido à política de um só filho, os pais são excessivamente protectores e acabam estragando seus próprios filhos", explica Cao Jianping, o director da escola.

Com a masculinização dos rapazes chineses e a feminização dos homens europeus e americanos, em caso de guerra, quem vencerá?

Despromovido por criticar o "casamento" homossexual

Adrian Smith, um gerente de habitação e um Cristão, foi despromovido com redução salarial depois de criticar a nova lei em torno dos "direitos dos homossexuais" afirmando que a permissão de "casamentos" homossexuais dentro das igrejas é "levar a igualdade demasiado longe".

Apesar do comentário ter sido feito no seu tempo livre e na sua página pessoal do facebook - que não pode ser lida pelo público em geral - as audiências disciplinares levaram a que ele visse o seu salário ser alterado (e reduzido) de £35,000/ano (cerca de 39,800 €) para £21,000 (+/- 23,890 €). Segundo se sabe, ele só não foi despedido devido ao tempo de serviço.

Alguns activistas atacaram a decisão da associação de habitação - a última numa série de casos onde Cristãos entraram em rota de colisão com os seus patrões devido à sua visão do casamento natural - classificando-a de reacção excessiva duma organização "imersa no politicamente correcto".

Advogados em defesa do sr Smith, descrito pelos amigos como um homem afável e não-confrontacional, afirmam que os seus comentários apenas expressam uma "crença honesta baseadas na sua fé Cristã".


Um gerente de habitação foi despromovido com redução salarial depois de criticar uma lei controversa que visa forçar as igrejas a "casar" homossexuais. E os activistas homossexuais ainda defendem que quem é motivado pelo ódio são os Cristãos?

Curioso que a noção da "separação entre a Igreja e o Estado" só parece funcionar numa direcção - ou seja, as Igrejas não podem influenciar as decisões do Estado. Aparentemente essa mitológica barreira não existe quando é o Estado a intervir politicamente dentro das Igrejas.

A hipocrisia dos activistas homossexuais é gritante. Mas, claro, como sabemos, quem é motivado pela busca do poder (e não pela defesa da moral e respeito pelas opiniões discordantes) não olha a meios para impôr a sua agenda sexual na cultura.

Liberdade de expressão, segundo os activistas homossexuais

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Casas de banho para rapazes sexualmente confusos é "sucesso" na Tailândia

Foto: BBC
Placa indica banheiro para transsexuais em escola na Tailândia. (Foto: BBC)

A Tailândia, país liberal e iluminado, mostra o que a Europa e os Estados Unidos da América se tornarão num futuro bem próximo.

Um banheiro para transexuais instalado numa escola de ensino médio na Tailândia virou sucesso entre os alunos da instituição.
Por "sucesso" entenda-se "normalização da aberração".
A escola Kampang, localizada no nordeste do país, instalou os banheiros depois de uma pesquisa apontar que 20% dos alunos se consideravam transsexuais.
Pesquisa ideologicamente motivada como forma de justificar a normalização de comportamentos úteis ao esquerdismo.
De acordo com o director, Sitisak Sumontha, esses estudantes eram importunados por outros alunos quando usavam os banheiros masculinos. Quando passaram a usar as instalações para as meninas, a situação não melhorou. "Isso causou desconforto entre as garotas e deixou os alunos transexuais infelizes, o que começou a afectar sua produtividade na escola", afirmou o director.

Foi então que a directoria da escola decidiu construir os banheiros para transsexuais, cuja entrada traz uma placa com um boneco rosa e azul, metade feminino, metade masculino.

Claro que não há pessoas no mundo que sejam "metade feminino, metade masculino". Ou somos XX ou somos XY. Não há meio termo ou um "3º género".
"Não somos meninos.
Se és XX, então és macho. Se não queres viver como macho, isso já é problema teu. Mas não deixas de o ser por afirmares que "não somos meninos".
Não queremos usar o banheiro dos meninos - queremos que eles saibam que somos transexuais", disse Triwate Phamanee, de 13 anos, que sonha em fazer uma cirurgia para mudança de sexo.
Como é possível que crianças que nem saibam qual vai ser a sua profissão saibam que querem mutilar os seus órgãos genitais? Estas crianças precisam de aconselhamento e não de apoio à sua confusão sexual.

.....

Antigamente as escolas eram sítios de aprendizagem e preparação para a vida adulta. Hoje, graças ao marxismo cultural, elas mais não são que centros de indoutrinação e normalização de comportamentos auto-destrutivos.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Rússia: Parlamento aprova castração química de pedófilos

A Duma Estatal (câmara baixa do parlamento russo) aprovou hoje na generalidade um projecto-lei do Presidente Dmitri Medvedev que determina a castração química de pedófilos e proíbe a liberdade condicional para condenados por delitos sexuais contra menores.

O diploma, aprovado por 332 votos a favor, um contra e nenhuma abstenção, visa endurecer as penas por delitos contra a integridade sexual de menores de 14 anos.

O documento propõe também que as pessoas julgadas pela segunda vez pelos mesmos delitos sejam condenadas a longas penas de prisão, incluindo a prisão perpétua.

O documento estabelece as normas de aplicação das medidas de coação de carácter médico que serão aplicadas por ordem do juiz e partindo dos resultados do exame psiquiátrico forense.

O representante do Presidente da Rússia na Duma, Garri Minkh, comentou que caso seja aprovado o projeto-lei, o juiz ou a comissão médica poderão ordenar a aplicação da castração química forçada a pessoas condenadas por delitos sexuais contra menores de 14 anos.

Nos demais casos, os condenados poderão solicitar a castração química voluntária ao pedir a sua liberdade condicional antecipada.

A 1 de Junho de 2011, a Duma Estatal aprovou um projecto-lei que endurecia a pena por delitos sexuais contra menores, mas a aprovação na especialidade foi suspensa quando se soube que Medvedev estava a elaborar um projecto-lei para endurecer as penas a aplicar a crimes de pedofilia.


Que admirável seria se estas medidas se estendessem não só para o resto da Europa, mas também para os EUA. Enquanto a Rússia segue neste caminho, outros ventos vindos do Ocidente tentam legalizar e normalizar o abuso sexual de crianças.

Mudança é Possível para os Homossexuais, diz Estudo

A mudança é possível para os homossexuais? Tentando responder esta questão, um estudo publicado em um jornal científico pela primeira vez em uma década, mostra que mudar a orientação sexual é possível.

The Journal of Sex and Marital Therapy contém os resultados finais de um estudo longitudinal de indivíduos que buscam mudar a orientação sexual através de ministérios cristãos associados com a Exodus International, conforme foi divulgado pela Religion News Service quarta-feira.

Os Psicólogos Stanton L. Jones (Wheaton College, IL) e Mark A. Yarhouse (Regent University) fizeram uma pesquisa com 98 pessoas que procuvam mudar a orientação sexual. Níveis de evolução de atrações sexuais e distúrbios psíquicos foram avaliados no início do processo de mudança e cinco vezes em um período total de 6-7 anos.

Dos 98 indivíduos, 61 foram classificados com sucesso para o resultado geral da última avaliação. O estudo descobriu que 53% foram classificados como bons resultados. Desses, 23% relataram o sucesso dos resultados na forma de conversão bem-sucedida à orientação heterossexual e 30% relataram a castidade de comportamento estável, sem identificação com a orientação homossexual. Quase no final, na marca de 6 anos, 20% relataram adotar totalmente a identidade gay.

Segundo o comunicado, os resultados mostram mudanças estatisticamente significativas, em média, da diminuição da orientação homossexual. Mas, as descobertas não provam que a mudança categórica na orientação sexual é possível para todos, mas eles mostram que mudanças reais parecem possíveis para alguns.

Os autores incitam o cuidado em projetar as taxas de sucesso a partir destes resultados, que são susceptíveis estimativas excessivamente otimistas do sucesso antecipado e apontam que a conversão para adaptação heterossexual foi um fenômeno complexo.

Os resultados do estudo não convenceram os críticos. Candace Chellew-Hodge, fundador do Whosoever, uma revista GLBT Oline para os Cristãos, encontrados em primeiro lugar que a pesquisa foi "suspeita", porque os pesquisadores são de faculdades cristãs conservadoras. Ele mostrou ainda sua preocupação também com as conclusões dos autores serem "excessivamente otimistas".

"Mesmo os pesquisadores chamam suas conclusões ‘excessivamente otimistas’", Hodge-Chellew disse de acordo com Religion Dispatches.

Chellew-Hodge criticou a metodologia, mencionando que o tamanho da amostra era pequena e que os resultados vieram de medo dos pesquisados. "A maior motivação única para estes 98 indivíduos, no entanto, certamente foi uma baseada no medo. Em resumo, eles viviam todos sob a ameaça do inferno .. "

Mas, o Dr. Stanton Jones defendeu a metologia, dizendo que "quanto mais rigoroso você ficar, mais longe você fica da vida real" e "todas as metodologias têm desvantagens", segundo relatado pelo CitizenLink.

"Seguimos mais um modelo da vida real do que um modelo hiper-experimental controlado", acrescentou ele, segundo a mesma publicação.

Jones respondeu àqueles, incluindo a American Psychological Association (APA), que disseram que a orientação sexual não pode ser mudada, dizendo que não existe para ele nenhuma pesquisa nesse sentido, e ele quer trazer à tona que a mudança é possível. "Acreditamos que os resultados desafiam a mentalidade reinante de que a mudança é impossível ou é extraordinariamente rara".

"Nós estávamos tentando resolver a questão básica ‘a mudança é possível?’ o fato de que alguém mudou é o que resultou deste estudo", disse ele.

Fortes convicções sobre o comportamento moral dos sujeitos, que eram todos Cristãos, descobriu ele, desempenhou um papel fundamental na mudança de orientação bem sucedida.

(Fonte)

domingo, 23 de outubro de 2011

Transsexual reverte operação e afirma que precisava de aconselhamento e não de mudança de sexo

Finalmente um raio de luz revela a aberração que é a operação para se "mudar" os órgãos sexuais:

Homem que mudou de sexo de modo a passar a ser uma mulher, reverteu a operação e agora diz que a NHS [British National Health Service] deveria parar de fazer operações de mudança de sexo.
Charles Kane, que gastou cerca de £100,000 em operações com o propósito de o tornarem mais parecido com uma mulher, agora afirma que o que ele precisava era de aconselhamento e não de operações cirúrgicas.

A sério? Quem diria. Estou certo que nunca passou pela cabeça de nenhum ser humano que pessoas que resolverem mutilar o seu próprio corpo precisam de aconselhamento.

Que pena que os "médicos" não chegaram a essa conclusão.

Entretanto,

Ficou-se a saber no início deste ano [2010] que um rapaz de 16 passaria a ser a pessoa mais nova de sempre na Inglaterra a mudar o seu sexo.
Numa entrevista a um jornal nacional, Bradley Cooper disse:
As pessoas podem pensar que sou demasiado novo para levar a cabo uma decisão tão importante, mas eu conheço a minha forma de pensar e isto é o que eu quero.
Ele acrescentou ainda que "os médicos disseram que eu preciso da cirurgia como forma de obter paz de espírito."
Há jovens que resolvem (erradamente) colocar uma tatuagem no seu corpo. Outras há que colocam um piercing. Este jovem de 16 anos decidiu que está maduro o suficiente para levar a cabo uma operação que lhe vai mudar o corpo de forma drástica e fundamental.

A Inglaterra pós-cristã caminha lentamente para a sua auto-destruição.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

"Legalizar o 'casamento' homossexual? Mais vale legalizar o 'casamento' com animais"

Esta é uma opinião proibida de se manter na Grã-Bretanha, mesmo quando se faz parte do Partido Conservador (PC).

Um conselheiro sénior Tory está a enfrentar apelos à sua demissão depois de sugerir que, visto que o Primeiro Ministro David Cameron aprova o 'casamento' homossexual (gaysamento), "mais vale legalizar o 'casamento' com animais".

Os oficiais do PC imediatamente levaram a cabo acções contra James Malliff, membro do gabinete do Concílio do Distrito de Wycombe - Buckinghamshire - depois deste ter dirigido um tweet a um antigo MP dos Tory. Malliff foi imediatamente suspenso devido ao seu tweet "totalmente inaceitável".

O London Evening Standard reportou que o sr. Malliff dirigiu um tweet ao antigo MP do Partido Cconservador Paul Goodman, que havia perguntado se a legalização do 'casamento' gay poderia facilitar a legalização da poligamia islâmica. O sr. Malliff disse:

Não há a mínima dúvida que o PM [David Cameron] está errado neste ponto. Mais vale legalizar o 'casamento' com animais. Concedo que seja brutal, mas não me desculpo.

Qualquer pessoa que leia as palavras em contexto não só notará que o seu argumento é "onde é que estabelecemos limites", como também se aperceberá que a poligamia é a próxima campanha a seguir.

Depois da poligamia virá a zoofilia (bestialismo, isto é, 'casamentos' com animais).

Sinceramente, se tu és a favor do gaysamento tens forma de te opores ao 'casamento' com animais? Pensa nisso. Que argumentos poderias usar contra alguém que se quisesse 'casar' com a sua cadela?

Se dizes que isso não é "natural", vais estar a usar um argumento rejeitado pelos activistas homossexuais. Para eles, um homem que insere o seu órgão sexual no ânus de outro homem está a levar a cabo um acto "normal", apesar do ânus ser um sistema criado para expelir excremento e gases intestinais e NÃO para prazer sexual.

Mal tu abandonas um padrão absoluto para comportamentos sexuais, ficas à mercê daquilo que alguém qualifica de "normal".

.....

O casamento originou-se como uma aliança tendo em vista a reprodução. Se não há a possibilidade biológica disso poder acontecer - visto que só uma semente dum macho e um óvulo duma fêmea podem originar nova vida - então o casamento perde a parte mais importante do seu significado.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Professora pode perder emprego por criticar homossexualidade no facebook

Professora de New Jersey encontra-se no meio de um tumulto depois de alegadamente ter criticado uma imagem que reconhece o "Mês da História LGBT".

A professora, Viki Knox, supostamente colocou comentários na sua página pessoal do facebook onde se referiu à homossexualidade como "um espírito pervertido que existiu desde o princípio da criação" e um "pecado". Alegadamente ela disse ainda que a homossexualidade "multiplica-se como cancro".

John Paragano (advogado) enviou ao distrito o que ele afirma ser uma cópia dos comentários da srª Knox. Durante o fim de semana, Paragano, que alega ter sido contactado por um dos pais do distrito, escreveu ao mesmo distrito apelando a que a professora fosse despedida.

..............

Este desenvolvimento demonstra de forma bem clara o fascismo do movimento político homossexual (gaystapo):

  • Na sociedade actual existe liberdade para criticar todos os comportamentos menos o comportamento homossexual.

Podemos dizer que não concordamos com o acto de fumar e nem com o acto de ingerir bebidas alcoólicas sem temer perder o nosso emprego ou sermos vítimas dos fascistas da gaystapo. Mas críticas à homossexualidade podem ser suficientes para sermos vítimas da polícia do "politicamente correcto".

Reparem que a professora não apelou à "descriminação" e nem à violência. Ela apenas disse que não considera normal um homem ter atracção pelo ânus de outro homem, nem considera normal uma mulher sentir-se atraída sexualmente por outra mulher. Segundo a gaystapo, isto é motivo suficiente para alguém perder o emprego.

A srª Knox, de 49 anos é a conselheira da "The Seekers Fellowship" - grupo de oração da escola secundária. Levando isso em conta, este incidente pode-se transformar num caso em torno da liberdade religiosa a nível nacional.

Os esquerdistas da ACLU, para variar, envolveram no caso do lado certo da questão e alegam que, embora não concordem com os comentários, a srª Knox sob a protecção da Primeira Emenda (que garante liberdade de expressão).

Segundo se sabe, não há nada na 1ª Emenda que diga "Excepto para os professores".


terça-feira, 18 de outubro de 2011

A destruição da monogamia

Por acaso chegaram a ouvir o argumento dos defensores do "casamento" homossexual de que a redefinição do casamento, de modo a incluir a homossexualidade, não vai afectar o casamento tal como o conhecemos? Pois bem, eles estavam apenas a brincar.

Um artigo no New York Times orgulhosamente informa que, não só 50% das uniões homossexuais são relações "abertas", como também informa que isso é um óptimo modelo para os heterossexuais emularem:
Essa transparência pode fazer relacionamentos mais fortes, disse Joe Quirk, autor do livro It's Not You, It's Biology "A combinação entre a liberdade e o entendimento mutuo podem gerar um nível especial de confiança", disse o sr. Quirk.

"O casamento tradicional americano está em crise, e nós precisamos de discernimento" afirmou Quirk, citando citando a nova perspectiva que os casais trazem para o matrimónio.

"Se a inovação vai acontecer, ela será liderada pelos casamentos homossexuais."

Para começar, não há "casamentos homossexuais". Casamento, por definição, é heterossexual.

Se por acaso pensavas que os activistas a favor do gaysamento apenas queriam a não-existente igualdade - e não a redefinição o casamento natural - estavas enganado.

Toda essa conversa em torno da "igualdade" é uma ilusão. O que eles querem é destruir a instituição do casamento uma vez que o casamento e a reprodução são as evidências mais óbvias da superioridade da heterossexualidade em relação às demais práticas sexuais.

Pensem o que é um relacionamento onde não há monogamia. Pensem em construir uma família normal (marido e mulher) onde não há fidelidade. Quanto tempo durará? Agora imaginem essa "abertura" num estilo de "vida" que, pela sua própria natureza, já inspira comportamentos promíscuos. Qual será o resultado?


De acordo com os dados científicos e, acima de tudo, de acordo com a Palavra do Criador, nós fomos geneticamente e espiritualmente programados para a monogamia. Mas os activistas a favor do "casamento" homossexual querem construir uma sociedade onde a fidelidade seja um conceito do passado.

O que é que se pode dizer de pessoas (heterossexuais e homossexuais) que promovem comportamentos que nós sabemos empiricamente que não funcionam? A Bíblia tem um verso para tais "sábios":

Romanos 1:21 - Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.
Todos nós sabemos que para um casamento funcionar harmoniosamente tem que haver fidelidade. Isto nem é tanto um conceito "religioso" mas um conceito óbvio. O que os activistas homossexuais querem fazer é destruir uma das instituições mais importantes da sociedade - se não a mais importante - e impor em seu lugar comportamentos que conduzem ao fracasso e à perdição eterna.

O que é que nós como Cristãos podemos fazer para evitar isso? Será que há pessoas interessadas em evitar tal tragédia? O que vai ser de crianças que cresçam em "lares" onde há "abertura" para a promiscuidade e para intimidade fora do vinculo do casamento?

Talvez seja melhor seguir o que Um Homem muito Sábio disse* aos Seus seguidores:

Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há-de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens.Vós sois a luz do mundo: não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;

Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.
* Mateus 5:13-16


sábado, 15 de outubro de 2011

Polícia proíbe exibição de Versos da Bíblia em café Cristão

A polícia de Lancashire disse ao dono dum café Cristão para parar de exibir Versos da Bíblia no plasma lá presente uma vez que alegadamente isso viola as leis da ordem pública.

No passado dia 19 de Setembro os policiais dirigiram-se ao café "Salt & Light Coffee House" em Layton Road, Blackpool, após queixas de que material "insultuoso" e "homofóbico" havia sido exibido.

O dono do café (Jamie Murray) disse que os policiais não especificaram quais os Versos Bíblicos que causaram a "ofensa".

-Fonte-


Isto está a ficar ridículo. Qualquer dia o porte duma Bíblia é motivo para prisão - tal como já acontece em alguns países maometanos.

Repara-se como a sempre-útil (para o esquerdismo) acusação de "homofobia" lidera a censura da Bíblia.

Isso revela um dos maiores motivos que faz com que a esquerda política se alinhe com os activistas homossexuais: limitar ou remover a influência da Bíblia na sociedade uma vez que quanto mais forte for a influência Bíblica numa cultura, menos susceptível ela é de se alinhar com a ideologia esquerdista.


quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Provável vitória do Partido Popular espanhol "força" homossexuais a "casarem-se" à pressa


Faltando pouco mais de um mês para as eleições gerais na Espanha, muitos gays estão aproveitando para se casar o mais rápido possível. Isso porque pesquisas indicam a vitória do conservador Partido Popular (PP), que promete revogar a lei que permite o casamento homossexual. Nas redes sociais, já há grupos divulgando slogans como "Case já, que o PP vem aí".

Em províncias como Madrid, Barcelona e Valência, onde uniões homossexuais são mais comuns, os pedidos de documentos para casar aumentaram cerca de 40% em Setembro, em relação ao mês anterior. "Há muita inquietação porque não sabemos o que vai acontecer.

É até compreensível que tanta gente acelere os trâmites antes das eleições temendo a chegada do PP", disse José de Lamo, coordenador da associação Lambda, que defende direitos de gays, lésbicas, bissexuais e transexuais de Valência.

A associação foi a primeira a se manifestar diante da sede do partido conservador para criticar a promessa eleitoral de revogar a lei, aprovada pelo Parlamento em 2005. Desde então, houve cerca de 24 mil matrimónios entre homossexuais no país - 2% do total anual de uniões oficiais no mesmo período.

Essa incerteza sobre o futuro preocupa também os casais que estão em processos de adopção de crianças, já que a lei estende às famílias homossexuais todos os direitos e deveres aplicados aos heterossexuais: de pensões a custódia de filhos em comum. "Ficamos numa situação de limbo legal", afirmou Agustín López, presidente do Coletivo de Lésbicas, Gays, Homossexuais e Bissexuais de Madri (Cogam).

"Os trâmites de adopção ficarão suspensos até que haja uma revogação total da lei. A opção será voltar ao sistema de adopção por parte de um dos cônjuges, se não nos deixarem formalizarmos mais como família. Um retrocesso enorme que nos faz sentir cidadãos de segunda categoria."

Políticas "antifamília"
O PP vem se opondo à lei desde que ela começou a ser discutida no parlamento espanhol. Quando a medida foi aprovada, o partido apresentou um recurso no Senado (rejeitado pelos demais grupos políticos) e uma apelação ao Supremo Tribunal Constitucional, que ainda não se manifestou sobre se a lei viola ou não as bases da Constituição espanhola.

Embora tenha dito que esperará a decisão da Justiça e escutará a sociedade, o candidato do PP a primeiro ministro, Mariano Rajoy, já disse que em sua opinião a lei é inconstitucional. Além do partido, outras instituições pedem a revogação da lei, como a Igreja Católica e organizações de direita como o Fórum Espanhol da Família, que enviou um dossiê com 50 recomendações ao PP, entre elas a retirada deste modelo de casamento.

"Nosso objetivo é o de colocar um ponto final no ciclo de políticas antifamília vividas nos últimos anos na Espanha", explicou o presidente do Fórum, Benigno Blanco. Quem também se manifestou contra o casamento gay foi a rainha Sofia, que em sua biografia disse que não concordava com o uso da palavra casamento para definir as uniões de pessoas do mesmo sexo.

"Se essas pessoas querem viver juntas, se vestir de noivos e se casar, podem estar no seu direito ou não, segundo as leis de seu país. Mas que isso não se chame matrimónio, porque não é. Há muitos nomes possíveis: contrato social, contrato de união...", diz o livro A rainha muito próxima, da escritora Pilar Urbano.

Casamento expresso
Com o aumento do número de inscrições para casar no sul do país, o prefeito da cidade de Jun (Província de Granada), o socialista José Antonio Rodríguez, lançou no Twitter a campanha do "casamento expresso".

Em seu tweet, ele dizia: "Se conhecem algum casal gay que queira se casar antes de 20 de Novembro e tenha dificuldades, eu resolvo." O prefeito disse que os pedidos de tramitação de documentos para casar na região dele se multiplicaram por sete nos últimos dias e muitos homossexuais vêm se queixando de falta de colaboração em cartórios de municípios vizinhos governados pelo PP.

Por isso oferece a fórmula urgente. Documentação pronta em cinco dias e casamento até sem a presença dos noivos. "Com procurações basta", avisa o prefeito.

Fonte

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Activistas homossexuais processam escolas por estas usarem filtros anti-pornografia que bloqueiam sites homossexuais

Escolas do Missouri estão a ser alvo de processo legal por terem activado filtros contra sites pornográficos uma vez que, segundo os activistas homossexuais, esses filtros bloqueiam sites homossexuais.

Os esquerdistas da "American Civil Liberties Union" (ACLU) (que iniciaram o processo legal) querem que os filtros sejam desligados até que o assunto esteja resolvido.

O super-intendente Tim Hadfield (Camdenton School District) disse:

Nós não bloqueamos especificamente sites que promovem estilos de vida alternativos. Nós bloqueamos sites que são desapropriados e vamos continuar a fazê-lo.
A "Alliance Defense Fund" (ADF), grupo legal que defende a liberdade religiosa afirmou:
Os distritos escolares não deveriam ser pressionados a aceitar que os seus alunos fiquem expostos a material sexualmente explícito.
A ADF avisou algumas escolas distritais que, se elas sucumbirem às exigências da ACLU, as crianças ficarão expostas a material pornográfico. Numa carta aos distritos, a ADF disse que as escolas estão bem dentro dos seus direitos legais ao manterem os filtros Scare activos.

Um dos advogados da ADF, David Cortman, afirmou que

A ACLU está a forçar a sua agenda sexual radical ao intimidar as escolas distritais com uma longa linha de tácticas de medo mascaradas de preocupações com a censura.

Inquestionavelmente, as escolas distritais não tem obrigação alguma em ceder às exigências da ACLU. As crianças estão em primeiro lugar.

Aparentemente as crianças estão em primeiro lugar excepto quando o seu bem estar choca com a agenda dos activistas homossexuais; para eles, a sua agenda política está em primeiro lugar, mesmo que isso implique fazer crianças passar fome - tomemos o incidente envolvendo o blogueiro Cristão Júlio Severo como exemplo; a sua conta da PayPal foi fechada devido à perseguição da gaystapo. O Júlio tem 4 filhos para alimentar e a PayPal era uma das formas de obter financiamento.

Outro advogado da ADF disse:

Os pais esperam que os lugares onde colocaram os seus filhos sejam lugares de aprendizagem e não lugares onde eles podem aceder a sites pornográficos.
Os esquerdistas da ACLU afirmam que as escolas tem a "obrigação legal" de permitir que os estudantes acedam a sites lésbicos, sodomitas, bissexuais e relativos a assuntos transgéneros. O facto de alguns destes sites serem, aparentemente, pornográficos não parece preocupar a ACLU.

Antes do processo legal ter iniciado, Tim Hadfield explicou que o seu distrito possui um filtro feito à medida.

-Fonte-


Por aqui se vê o quão destrutiva a agenda homossexual é. Estes activistas preferem que as crianças fiquem expostas à depravação da pornografia - uma vez que assim podem aceder aos sites homossexuais - do que proteger as crianças de ter acesso a esses sites.

A agenda homossexual não se importa com mais nada que não seja o seu avanço. Isto é algo que todos nós temos que pensar sempre que virmos os activistas a promoverem medidas alegadamente para o "bem das crianças".

domingo, 9 de outubro de 2011

Banco Central Europeu emitirá "dinheiro homossexual" ?

O Banco Central Europeu (BCE) emitirá em Julho próximo notas somando um total de 15.3 bilhões de euros. Estas notas não serão iguais às já existentes em circulação mas serão “do tipo homossexual”.

De momento pouco se sabe sobre a nova moeda mas muitos economistas questionam a idoneidade de sua aparição. "Serão de um tacto mais suave? É duvidosa a sua utilidade, sobre tudo tendo em conta a situação em que se encontra a Grécia", assinala The Economist.

Deste acusação a União Europeia defende-se, porém, alegando que estas novas notas servirão para que “nossos cidadãos e amigos os homossexuais” se sintam menos estigmatizados pela sociedade e possam participar do capitalismo “com plena normalidade”.

(Fonte)


Tanto esforço para acomodar um grupo sexual que perfaz menos de 2/3% da população europeia. Até parece que por trás de tanta acomodação à homossexualidade se esconde um propósito mais sombrio. Será?

Prevejo, no entanto, que haja alguma comoção quando os muçulmanos começarem a pagar o zakat com notas de homens nus.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

EUA tiram palavras "pai" e "mãe" de passaporte por respeito a gays

As palavras “mãe” e “pai” serão removidas do passaporte norte-americano e substituídas por “filiação 1” e “filiação 2”.

De acordo com o Departamento do Estado dos EUA, as mudanças foram feitas para reconhecer os diferentes tipos de família. Grupos de direitos dos gays aplaudiram a decisão.

Mudar os termos ‘mãe’ e ‘pai’ para ‘filiação’ permite que muitos tipos de famílias sejam capazes de requerer um passaporte para seus filhos sem sentirem que o governo não reconhece a sua família”, afirmou a Fox News Jennifer Chrisler, diretora executiva do Conselho da Igualdade Familiar, um grupo norte-americano que defende o direito das famílias do grupo GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros). O conselho vem tentando há anos essa mudança no passaporte.

Mas alguns conservadores cristãos foram contra a decisão. Robert Jeffress, um pastor de uma igreja Baptista de Dallas afirmou que a alteração sugere que “não é preciso pai e mãe para criar uma criança com sucesso”. “Essa decisão faz com que os casais homossexuais se sintam mais confortáveis ao criar uma criança”, disse ele.

Em contrapartida, Jennifer afirmou que o governo precisa reconhecer que as estruturas familiares estão mudando. “A melhor coisa que podemos fazer é dar suporte às pessoas que estão criando filhos com amor, com famílias estáveis”, disse ela.

Recentemente, na Austrália, outros direitos foram reconhecidos no passaporte. Os australianos ganharam uma terceira opção de género, a categoria “x”. Essa é uma das medidas adoptadas pelo governo contra a discriminação de transgéneros. Os passaportes americanos ainda não têm essa opção, mas os transgéneros já podem optar pelo sexo que mais se identificam.

(Fonte)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

População inglesa à beira de ser contaminada com sangue homossexual

As transfusões sanguíneas salvam vidas. Regras sensíveis em torno de quem pode e não pode doar sangue existem para garantir e proteger os bancos de sangue. Decisões em torno de quem pode doar sangue em segurança deveriam ser deixadas à ciência médica e não aos lobbies políticos ou às leis da "igualdade".

No entanto, foi anunciado que na Grã-Bretanha, a partir de 7 de Novembro, as regras em torno da doação de sangue vão ser revistas. Segundo as regras actuais, um homem que tenha tido relações sexuais com outro homem não tem permissão para doar sangue. Isto é feito assim porque os homens que tem relações sexuais com outros homens (HSH) estão em maior risco de serem possuidores de vírus transmissíveis através do sangue.

Este não é um risco histórico que entretanto desapareceu; ainda é bem real. No princípio deste ano a "Health Protection Agency" (HPA) anunciou que o número de novos diagnósticos de HIV quase que duplicaram nos últimos 10 anos. A HPA disse também que os números estão em crescimento "especialmente entre homens que tem sexo com outros homens".

Grupos de risco.

Na verdade, existe uma lei europeia que legalmente requer que os bancos de sangue excluam permanentemente qualquer pessoa cujo comportamento sexual os coloque em elevado risco de contrair doenças infecciosas que possam ser transmitidas através do sangue. É por isso que uma sondagem os serviços sanguíneos de 23 países verificou que HSH estão permanentemente excluídos de doar sangue em 20 países.

Os HSH não são os únicos que estão barrados de doar sangue:

  • Qualquer pessoa que tenha alguma vez trabalhado como prostituta ou que tenha injectado drogas ilegais não pode doar o seu sangue.
  • Qualquer pessoa que tenha uma afta activa não pode doar o seu sangue.
  • Qualquer pessoa que tenha feito uma tatuagem ou uma maquilhagem semi-permanente nos últimos 4 meses não pode doar sangue.
  • Qualquer pessoa que tenha recebido uma transfusão sanguínea em qualquer parte do mundo desde 1 de Janeiro de 1980 não pode dar sangue.

A lista continua por aí além...

No entanto, devido às campanhas dos activistas homossexuais, a restrição feita ao sangue dos sodomitas foi revertida pelo governo inglês. Os activistas disseram que a exclusão é "ilegal" segundo os regulamentos da orientação sexual - que eles mesmos forçaram com os seus lobbies. Os regulamentos foram introduzidos em 2007 e mais tarde incorporados no "Equality Act" em 2010.

O que estes activistas homossexuais não dizem é que o sangue homossexual está banido não devido àquilo que um homossexual é mas sim por aquilo que ele faz. Se um homem tiver atracção por outros homens mas nunca tiver tido uma relação sexual com outro homem, esta pessoa pode doar sangue.

Os bancos de sangue rejeitam comportamentos e não pessoas. Mas isso os activistas já não dizem, como tal, os sodomitas vão poder doar o seu contaminado sangue desde que não tenham tido relações sexuais nos últimos doze meses. Mas mesmo este tempo de espera não é suficiente para os activistas homossexuais. O homossexual Peter Tatchell não quer nenhum limite de tempo.

Ou seja, um homem pode ter estado numa festa gay numa noite - e ter tido relações com 5 ou 10 homens (alguns potencialmente contaminados) - e no dia seguinte ir a um banco de sangue doar o seu sangue. Para os activistas homossexuais isto não é irresponsabilidade mas sim "igualdade". Com isto se vê como o lobby gay não respeita a saúde alheia.

Risco.

Até a pouco tempo o "National Blood Service" disse que permitir que os HSH doem o seu sangue poderia resultar no aumento do risco de sangue infectado com HIV penetrar os bancos de sangue - cinco vezes mais.

O período de 12 meses é um recuo perante as exigências dos activistas homossexuais. No início deste ano foi reportado nos média que o governo estava a considerar relaxar o tempo de salvaguarda (da exclusão permanente até a um período de espera de 10 anos).

Em Abril deste ano os peritos disseram que o risco do HIV entrar nos bancos de sangue é de cerca de 2,5%. Os mesmos peritos disseram que um tempo de espera na ordem dos 5 anos aumentaria o risco em cerca de 5%.

Devido a isto, será despropositado perguntar o quão alto o aumento do risco com o tempo de espera centrado nos 12 meses? As reportagens oficiais sugerem que o risco pode chegar aos 10%.

Igualdade ou supremacia?

Se alguém deveria estar sujeito às leis da igualdade, deveria o receptor e não o dador. Nunca houve indícios de que as transfusões de sangue tenham sido negadas devido à raça, sexo, deficiência física ou orientação sexual. E ainda bem.

O "produto" ou "serviço" da "National Blood Service" é o sangue. Quem é o beneficiado? É o paciente que precisa da transfusão e não o dador. Isto é o senso comum.

Isto nunca foi polémico até que os regulamentos em torno da orientação sexual foram introduzidos em 2007. Devido às pressões por parte dos activistas homossexuais chegamos a uma situação onde os sodomitas têm o "direito" de doar o seu sangue, independentemente do aumento dos riscos médicos. Aparentemente, a ideologia sobrepõe-se à saúde alheia.

É este tipo de movimentação política que afecta também as agências de adopção. As agências não existem para fornecer crianças aos adultos - isso seria tratar as crianças como um "produto" ou um "serviço". As agências existem para fornecer famílias funcionais a crianças necessitadas. As principais beneficiárias são as crianças.

No entanto, devido aos regulamentos igualitários, as exigências dos adultos são mais importantes e com tal as agências de adopção baseadas no Cristianismo foram quase erradicadas de Inglaterra (tal como os marxistas culturais e os activistas homossexuais desejavam).

Conclusão:

As leis de igualdade deveriam ser acerca de justiça, mas parece que os mais frágeis da sociedade é que sofrem com elas. Para além das crianças em busca de um lar normal sofrerem com estas leis, agora são os doentes em busca de bancos de sangue saudável.

Chegamos a um ponto onde temos que perguntar: quem serão as próximas vítimas das leis da "igualdade" promovidas pela gaystapo?

-Fonte-

Submetam-se, obedeçam ou sofram as consequências.

domingo, 2 de outubro de 2011

Lésbicas sujeitam rapaz de 11 anos a tratamento para mudar de sexo



Não há nada demasiado horrífico que os esquerdistas não façam às crianças como forma de avançar com a sua grotesca ideologia, como este caso nojento demonstra.

Duas lésbicas que colocaram a criança adoptada de 11 anos num processo de se tornar uma rapariga afirmam que "é melhor para a criança levar a cabo a operação de mudança de sexo enquanto ainda é jovem". (Convém ressalvar que mesmo que removam o órgão masculino e construam algo parecido com um órgão feminino, o rapaz vai sempre ser macho.)

Thomas Lobel, que agora se intitula de Tammy, está a ser submetido a um tratamento hormonal em Berkeley, California como forma de impedir que ele atravesse a puberdade como um rapaz.

O supressor hormonal implantado na parte superior do braço esquerdo vai adiar o desenvolvimento de ombros mais largos, voz mais grossa e pêlos faciais.

De forma bizarra, as lésbicas com custódia deste pobre macho alegam as probabilidades dele se suicidar como resultado deste destrutivo projecto de engenharia social como argumento para mutilar o pobre rapaz.

Pauline Moreno e Debra Lobel avisam que crianças com desordem na identidade de género forçadas a adiar a transição podem enfrentar um maior risco de suicídio. Citando uma estatística proveniente da "Youth Suicide Prevention Program", a senhora Moreno ressalvou que mais de 50% dos jovens transgéneros vai passar por uma tentativa de suicídio até aos 20 anos de idade.

Por outras palavras: como as crianças com problemas em relação à sua identidade sexual têm uma maior taxa de tentativa de suicídio, o melhor é mutilar o rapaz (ou a rapariga) como forma de "impedir" que tal tentativa de suicídio ocorra. Pelos vistos acompanhamento psiquiátrico está fora de questão.

Conclusão:

Corromper crianças encorajando-as a fingir não serem o que elas são é uma forma de abuso infantil.

Já é horrível o suficiente que crianças sejam entregues a pessoas suficientemente perturbadas para pensarem que o homossexualismo e o lesbianismo são prácticas sexuais "normais".

Pior ainda é quando estas duplas usam as crianças que tiveram o azar de cair no seu laço para avançar com a sua agenda politico-sexual.

Uma pergunta importante: este rapaz foi adoptado quando tinha dois anos. As lésbicas dizem que não estão a "forçar" a decisão do rapaz, mas como é que nós podemos ter a certeza de que o ambiente onde ele cresceu não é a causa maior desta confusão sexual? Ou seja, elas podem muito bem estar a dar como "solução" (operação sexual) um problema criado pelo ambiente anormal onde ele cresceu.

"Vamos mutilar o macho que caiu na nossa rede"

sábado, 1 de outubro de 2011

Jornal "conservador" usa dinheiro Cristão para promover homossexualismo


O "Canadian National Post", que supostamente era o órgão de informação mais conservador entre os média canadianos. causou ondas de choque entre os conservadores ao pedir desculpas por ter exibido publicidade pró-família. Para além disso, o National Post disse que vai doar os milhares de dólares pagos pela publicidade (por parte dum grupo pró-família) a um grupo activista homossexual.

O anúncio publicitário, pago pela "Institute for Christian Values", mostra uma criança a dizer:

Por favor não criem confusão em mim!

Eu sou uma rapariga. Não me ensinem a questionar se sou um rapaz, transsexual, transgénero, intersexual ou bi-espiritual

O anúncio falou especificamente da politica da "Toronto District School Board" em proibir os pais das crianças de retirar os filhos das "aulas" de indoutrinação homossexual.

No seu pedido de desculpas, os editores do National Post escrevem:

O facto de nós não mais voltarmos a publicar este anúncio representa reconhecimento da nossa parte que publicá-lo foi um erro. O National Post gostaria de pedir desculpas sem reservas a quem quer que tenha ficado ofendido com ele [isto é, aos activistas homossexuais que querem usar as crianças para avançar com a sua nojenta agenda sexual e política].

Tomaremos os passos necessários para garantir que no futuro os nossos procedimentos de filtragem de conteúdo sejam estritamente aderidos.

O [National] Post vai também doar os lucros do anúncio publicitário a uma organização que promove os direitos das lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros.

(Fonte)


Mais uma evidência da infiltração marxista e homossexual nos órgãos de informação alegadamente "conservadores".

Veja-se o total desrespeito que o National Post tem pelas pessoas que pagaram pelo anúncio ao pegarem no dinheiro do anúncio e ao depositá-lo na conta bancária do grupo ideologicamente oposto aos Cristãos.

Isto é uma tremenda bofetada na cara dos conservadores canadianos. A pergunta é: como é que eles irão reagir a isto?

Outra coisa que é preciso vêr é que o anúncio é pró-criança e não "anti-homossexual". O anúncio apenas diz para não usar crianças em jogos políticos ao confundi-las em relação à sua sexualidade. Será que o lobby homossexual quer confundir as crianças em relação à sua sexualidade?

Se sim, então é o nosso dever social e moral oferecer resistência à agenda dos activistas homossexuais uma vez que essa agenda promove a confusão sexual nos filhos dos outros. (Sim, tem que ser nos filhos alheios porque a homossexualidade, como se sabe, não gera nova vida: só a heterossexualidade faz isso.)

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...