quarta-feira, 22 de junho de 2011

Rabinos lançam iniciativa de casar lésbicas com homens homossexuais

Rabinos da comunidade religiosa Sionista lançaram a iniciativa de casar homens gays com mulheres lésbicas - surpreendentemente, com algum sucesso . Até agora onze casamentos foram levados a cabo. O jornal Haaretz levou a cabo uma entrevista via email com um dos casais, Etti e Roni (nomes falsos).
Etti e Roni, ambos religiosos, casaram-se há 5 anos atrás. Embora eles tenham sido honestos um com o outro àcerca da sua orientação sexual desde o primeiro encontro, para o mundo exterior eles apresentam-se como um casal normal (heterossexualidade = normal). Hoje, com duas crianças, estão entusiasmados com os resultados.
A esposa escreve:
É incrível . . . . Há 6 anos atrás nunca pensamos que poderíamos ser assim tão felizes. Chegamos a pensar que tudo se tinha escurecido e que nós havíamos perdido as nossas chances de termos uma vida normal. Mas hoje, as coisas estão a correr bem.
Claro que há falhas mas isso é comum a todos os casos. Nós preenchemos as falhas com o grande amor que damos e recebemos dos nossos filhos, e também usufruímos do amor simples que oferecemos um ao outro . . . .
Todos os casais foram combinados pelo Rabino Areleh Harel (na foto) do assentamento Shilo, no West Bank. Ele dá aulas numa yeshiva em Elon Moreh e é conhecido como o rabino a quem os homossexuais se podem dirigir. 

Harel disse que todos os seus casais receberam apoio constante duma equipa de psicólogos, conselheiros matrimoniais e assistentes sociais. Eles poderiam também consultar com frequência alguns rabinos incluindo o Rabino Aharon Lichtenstein, da "Yeshia Har Etzion" e especialmente o Rabino Menachem Burstein, líder do "Puah Institute" que se especializa em soluções rabínicas para problemas de fertilidade.

Harel não só disse que o seu duodécimo casal anunciou recentemente o seu noivado como também que ele possui uma lista de outros 30 gays e 20 lésbicas em busca de companheiros. Eles não negam a sua identidade sexual, ressalvou o Rabino Harel.
Eles querem estabelecer uma casa, quer seja para se tornarem pais ou reconhecimento social. Uma família não é só sexo e amor. É um parceria instrumental e não apenas uma parceria técnica.
Como resultado, ele e os seus colegas decidiram institucionalizar o empreendimento incluindo trabalhar com uma conhecida organização casamenteira.

Os casamento de gays com lésbicas há muito que são praticados entre os ultra-Ortodoxos, mas a iniciativa corrente é diferente uma vez que não se dedica a varrer o problema para fora do nosso alcance, mas através da aceitação das orientações homossexuais (motivada por 4 organizações religiosas homossexuais: Havruta, Bat Kol, Hod and Kamocha).

Harel explicou que, enquanto que os homossexuais seculares buscam o "casamento" homossexual como solução, os homossexuais religiosos estão pouco dispostos a violar a proibição rabínica em torno do homossexo e, como tal, buscam outras soluções.
A maior parte dos casais concorda em não ter relações com pessoas do mesmo sexo mas se há "lapsos" uma ou outra vez durante os anos, eles não olham para isso como uma traição. . . . Geralmente isso é entre eles e o Criador.
Ele disse que cada casal decide por si como o seu casamento irá funcionar, e ele não está envolvido na decisão. Em vez disso, ele dedica-se predominantemente com questões da halacha tais como a inseminação artificial.

Roni, 35 anos, é dono dum negócio; Etti, de 30 anos, é uma paramédica. Roni tentou terapia para mudar a sua orientação sexual, sem sucesso. Ele também disse que teve vários relacionamentos com vários outros homens "até que me decidi que aquilo não era para mim; eu quero uma família e crianças."

A Etti disse que a sua família ainda não sabe que ela é lésbica. Ela passou por um relacionamento "sério" mas "apercebi-me que era mais importante para mim criar crianças e viver uma vida familiar normal."

Ambos disseram que levar a sério a proibição religiosa em relação ao acto homossexual foi "muito importante" para eles, tal como foi o seu desejo duma "paternidade mais ou menos normal". Ambos os factores tiveram influência na sua decisão.

O Rabino Harel apresentou-os um ao outro e como o primeiro gay-lésbica, eles identificam-se como "ratos de laboratório". Eles são cuidadosos em manter uma aparência normal em frente às crianças e perante o mundo exterior, chegando mesmo a dormir no mesmo quarto - embora não durmam juntos. Os seus filhos nasceram de uma inseminação artificial.
Durante a maior parte do tempo, é bom estarmos juntos, tipo parceiros num negócio. Claro que temos discussões e momentos de tensão, mas quem é que não os tem? . . . . Tal como bons amigos, nós temos uma grande dose de respeito mútuo e muito amor platónico.
Claro que isto não se passa com todos, obviamente. Dois dos casais que Harel casou estão agora em processo de divórcio. Ele disse que está muito preocupado com o destino das crianças destes casais experimentais - se eles vão sofrer ou não. Adicionando a isso, nem todos aprovam. Embora a Havruta não tenha oficialmente publicado uma opinião, o seu porta-voz, Daniel Yunes, disse que pessoalmente ele é contra esta ideia.
Se aceitamos a definição de família como uma parceria baseada na confiança e no amor . . . então isto não oferece resposta alguma.
Ele adicionou ainda que a sua organização defende a ideia de que ser aberto em relação à sua identidade sexual leva a pessoa a uma vida mais feliz do que viver uma mentira.
Mas Roni e Etti sentem que beneficiaram grandemente da situação, obtendo "duas crianças maravilhosas" e também "uma boa vida social". E o que é que perderam?
Nada, uma vez que, de qualquer forma, não poderíamos ter relacionamentos [homossexuais] uma vez que os mesmos são proibidos. Sim, há momentos difíceis de crise. Mas isso não é nada em comparação com o que sentimos na maioria dos casos, quando é bom.
Fonte

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os 10 mandamentos do comentador responsável:
1. Não serás excessivamente longo.
2. Não dirás falso testemunho.
3. Não comentarás sem deixar o teu nome.
4. Não blasfemarás porque certamente o editor do blogue não terá por inocente quem blasfemar contra o seu Deus.
5. Não te desviarás do assunto.
6. Não responderás só com links.
7. Não usarás de linguagem profana e grosseira.
8. Não serás demasiado curioso.
9. Não alegarás o que não podes evidenciar.
10. Não escreverás só em maiúsculas.
.......
Os editores do blogue reservam para si o direito humano de remover comentários que não estejam de acordo com o propósito e a política do mesmo.

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...