quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Ex-militante gay pede perdão a Júlio Severo

A coragem e a sinceridade tornam um homem melhor e mais humano. Recentemente, um jovem se comunicou comigo, abrindo-se e pedindo perdão.
Ele disse:
Sou ex-militante gay, e agora eu me encontro num caminho de recuperação. Percebi que os movimentos identitários não passam de conluios maquiavélicos pelos quais massas de manobra política são movimentadas. Eu não tinha consciência de que não passa de um velho estratagema, “dividir para conquistar” e a partir de então “pilhar uma casa em chamas”.
Hoje, eu entendo graças às lições do professor Olavo que isso é modus operandi característico da mentalidade revolucionária, inversionista, marxista-leninista-trotskista-gramsciana.
Eu não sabia disso. Quando eu entrei no movimento com 16 anos eu achava que era algo sério no qual nós lutávamos por respeito e dignidade. Hoje sei que eles não querem nada disso, mas apenas o Poder, e iludindo a gente que vamos conseguir dignidade e respeito, nós somos introduzidos numa vida diametralmente oposta.
Depois de quatro anos, tumultuados e difíceis, eu saí do movimento. Passei os últimos dois anos pensando no assunto, e apreendendo com o professor Olavo, e refletindo sobre as coisas de que participei. Está sendo e foi muito difícil, doloroso para mim.
Tive depressão, tentei suicídio, tomei remédios e fui a psiquiatras. Bem, nada funcionou melhor do que a Verdade, por mais indigesta que foi. Hoje, mais maduro, mais consciente das responsabilidades que eu tenho, e das conseqüências das minhas decisões, eu retomei o caminho de casa. Eu voltei para à minha tenra criação.
Eu sinto que o Espírito Santo entra no meu quarto desarrumado (assim que eu imagino meu coração) e arruma a bagunça. Eu erro, peco, e rezo. O Espírito Santo vai lá mais uma vez e arruma de novo. Nesse ciclo de construindo em destruindo, estou hoje bem mais assentado.
Com dois ou três deslizes ali e acolá, é razoável dizer que venho me mantendo casto há quase um ano. Bem como, longe das drogas.
Estou num processo de fazer as pazes comigo mesmo, mas para isso, eu preciso antes de me perdoar, pedir o perdão para aqueles que eu um dia fiz mal. Por isso escrevi esse e-mail.
Júlio, no movimento eu desempenhava um papel de olheiro, de auscultador. Entre vários outros, seu blog foi um dos que eu acompanhei com lupa. Além é claro das comunicações entre a comunidade evangélica, para saber as posições e como vocês se articulavam e coordenavam suas iniciativas. Apesar de eu não ter feito nenhum mal diretamente a você, meu trabalho deu uma contribuição, pequena pois haviam e há centenas como eu, aos ataques que o senhor vem sofrendo, desde de 2005 (pelo menos).
A coisa só tomou a dimensão que tomou, porque voluntários cabeças-ocas como eu ajudaram. Inclusive na formulação de estratégias de “contra-ataque”. Como o torpedeamento de mensagens, o assédio no Orkut, e a famigeração do seu nome. Eu fui um porco, um indigno, ímpio, muleque, safado, e fui mal.
Não está sendo fácil pra mim escrever esse e-mail, pois estou tomado de vergonha. E me sinto humilhado de ter que fazer isso, mas eu preciso fazer isso:
Júlio Severo, eu o assediei, eu caçoei de você, eu falei mal de sua pessoa e sua honra. Eu conspirei contra você. Eu fui seu inimigo, como Davi descreveu no Salmo 34.
Júlio, eu errei, eu pequei, cometi ofensas e injúrias contra você. Eu estou arrependido. Não há justificativa para meus crimes. Mesmo assim, confiando na sua moral cristã, eu quero te pedir perdão.
Júlio, eu peço desculpas por todas as vezes que eu lhe fiz mal. Eu quero que saiba que se eu pudesse voltar no tempo, eu não faria de novo. Se ao menos eu soubesse o que eu sei hoje. Julio, por favor me perdoe!
Pode contar minha história, porque eu sei que vai ajudar as demais pessoas a entender que não é respeito e dignidade que os militantes buscam, mas poder e dominação. Tenho consciência de que por meio dos meus erros, as pessoas podem se “vacinar” contra a dissimulação que se vê hoje.
Só reforço que você preserve minha identidade, pelo amor de Deus, porque eu tenho medo deles.
Eu conheço traficantes de drogas e armas, e homens corruptos no Estado, e creia-me Júlio, eu tenho menos medo deles do que do movimento gay politicamente organizado.
Eu inclusive ia pedir que você contasse minha história, como uma forma de reparação pela minha conduta, para que pais atentos impeçam que seus filhos (gays ou não) não sigam pelos mesmos tortuosos caminhos. E ajudar os pais que já tenham filhos vivendo num queer way of life* a diminuir os danos.

*Queer way of life: para mim esse termo não se restringe aos gays. É a adoção de uma conduta laxista, politicamente correta (ou epicurista), pautada por uma liberalidade e uma amoralidade (ou uma relativização da moral) na esfera privada, sem tomar conhecimento, ou simplesmente ignorando, as conseqüências de suas decisões para a esfera pública do bem comum. Por exemplo: fazer sexo no meio em praça pública; há pessoas no movimento que querem descriminalizar isso, e tornar um direito adquirido por uso capeão (eu sei, por que eu participei dessas discussões).
Por motivo segurança, precisei editar alguns trechos do relato do jovem ex-ativista homossexual, e também não posso revelar o nome e outros dados. Mas tenho uma mensagem para esse mais novo e precioso amigo:
Eu perdôo você, em nome de Jesus, pelos seus assédios, zombarias e difamação da minha pessoa e minha honra.
Eu perdôo você, em nome de Jesus, por suas conspirações contra mim e por sua inimizade.
Eu perdôo você, em nome de Jesus, pelas suas ofensas e injúrias cometidas contra mim.
Eu perdôo você, em nome de Jesus, por todas as vezes que você me fez mal.
Quero que saiba que, mesmo que você ainda estivesse no movimento homossexual, eu ainda o amaria. O propósito dos meus artigos é tirar do movimento homossexual tantas vítimas quanto for possível. E fico feliz que você tenha saído desse movimento destrutivo.
EU PERDÔO VOCÊ!
Postei este texto por dois motivos.
1. Porque o jovem ex-ativista precisa de suas orações, para que o Espírito Santo o conduza à plenitude da revelação e experiência com Jesus Cristo, o único Salvador e Senhor.
2. Porque é importante que todos vejam que Jesus Cristo pode todas as coisas, inclusive libertar ativistas gays das garras da mentira e do engano.
Por favor, encaminhe esta mensagem aos grupos de intercessão, para que orem por esse jovem e por muitos outros que se encontram aprisionados no movimento homossexual.
Veja também este artigo em inglês: Former gay militant asks forgiveness from Julio Severo
Para saber como um ativista homossexual pode mudar, leia:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os 10 mandamentos do comentador responsável:
1. Não serás excessivamente longo.
2. Não dirás falso testemunho.
3. Não comentarás sem deixar o teu nome.
4. Não blasfemarás porque certamente o editor do blogue não terá por inocente quem blasfemar contra o seu Deus.
5. Não te desviarás do assunto.
6. Não responderás só com links.
7. Não usarás de linguagem profana e grosseira.
8. Não serás demasiado curioso.
9. Não alegarás o que não podes evidenciar.
10. Não escreverás só em maiúsculas.
.......
Os editores do blogue reservam para si o direito humano de remover comentários que não estejam de acordo com o propósito e a política do mesmo.

ShareThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...